Últimos assuntos
» Decreto dominical a caminho
Dom Fev 19, 2017 7:48 pm por Augusto

» Acordem adventistas...
Ter Fev 07, 2017 8:37 pm por Augusto

» O que Vestir Para Ir à Igreja?
Qui Dez 01, 2016 7:46 pm por Augusto

» Ir para o céu?
Qui Nov 17, 2016 7:40 pm por Augusto

» Chat do Forum
Sab Ago 27, 2016 10:51 pm por Edgardst

» TV Novo Tempo...
Qua Ago 24, 2016 8:40 pm por Augusto

» Lutas de MMA são usadas como estratégia por Igreja Evangélica para atrair mais fiéis
Dom Ago 21, 2016 10:12 am por Augusto

» Lew Wallace, autor do célebre livro «Ben-Hur», converteu-se quando o escrevia
Seg Ago 15, 2016 7:00 pm por Eduardo

» Ex-pastor evangélico é batizado no Pará
Qua Jul 27, 2016 10:00 am por Eduardo

» Citações de Ellen White sobre a Vida em Outros Planetas Não Caídos em Pecado
Ter Jul 26, 2016 9:29 pm por Eduardo

» Viagem ao Sobrenatural - Roger Morneau
Dom Jul 24, 2016 6:52 pm por Eduardo

» As aparições de Jesus após sua morte não poderiam ter sido alucinações?
Sab Jul 23, 2016 4:04 pm por Eduardo

SEU IP
IP

O pregador e a Síndrome de Nabucodonosor

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

12102010

Mensagem 

O pregador e a Síndrome de Nabucodonosor






A Síndrome de Nabucodonosor

Publicado em 12/10/2010 por Seventh Day
O orgulho é uma tentação para muitos pastores, independentemente do tamanho da igreja ou magnitude de nossas responsabilidades. Como podemos alcançar a vitória sobre ele?

“Ele te declarou, ó homem, o que é bom; e que é o que o Senhor requer de ti, senão que pratiques a justiça, e ames a benevolência, e andes humildemente com o teu Deus?” (Miquéias 6:8)

Um estudante de teologia nervoso está fora da minha porta. Ele levanta a mão para bater na porta, então volta atrás; ele sabe o que o espera lá dentro. Apenas alguns dias antes, ele pregou o seu coração na classe de homilética para uma sala cheia de colegas, bem como para uma câmara de vídeo. E agora, do outro lado da porta o julgamento será passado. Para além dessa porta está um monitor. Um player de vídeo. E eu.

Mesmo o mais auto-confiante bate timidamente na porta. Uma vez sentado na frente do monitor, eu corro a fita durante alguns minutos e convido o aluno à uma auto-avaliação. Alguns agarram os braços da sua cadeira, como se estivessem sendo executados. Um segurou a cabeça entre as mãos. Outro de fato gritou: “Este não sou eu!” Ocasiões como estas produzem humildade quase universal.

Mas um dia um jovem estudante, cheio da alegria do Senhor, sentou-se para fazer sua auto-avaliação. Ele estava lá, vivenciando o seu próprio sermão sobre o monitor, acenando com a cabeça. Ele respondeu com vários “Améns” para sua própria pregação. Ele foi claramente abençoado. Então, perguntei: “Como você avalia isso?” Ele virou para mim, sorrindo, e disse: “Excelente! Absolutamente excelente! “

Mude agora para outra cena de orgulhosa auto-avaliação. O rei Nabucodonosor II da Babilônia, está em seu local favorito, no jardim do telhado do seu sumptuoso palácio, ao lado dos fenomenais Jardins Suspensos da Babilônia. E enquanto ele está lá seus olhos contemplam o horizonte. A dupla parede exterior da cidade percorrendo os 27 kilometros em torno de sua capital. Do palácio seus olhos passeiam pelo caminho sagrado da procissão; um quilômetro de extensão, com suas paredes cobertas de vidros altamente reflexivos e azulejos azuis, decorados com 575 bestas mitológicas, contempla a grande cidadela de Esagila, o templo do deus Marduk , e o grande zigurate de Etemenanki subindo 90 metros pelo ar. Uma ponte de 130 metros de comprimento abrangendo o Eufrates. Sem mencionar outros 3 palácios e 53 templos.

“Ele disse: “Não é esta a grande Babilônia que eu edifiquei para a morada real, pela força do meu poder, e para a glória da minha majestade?”(Daniel 4:30). E, certamente, você poderia pensar, é difícil fazer qualquer ligação entre isto e o ministério na Igreja.

A Síndrome de Nabucodonosor

Nabucodonosor toma Jerusalém. Ou, melhor, o Senhor entrega a Jerusalém em suas mãos, como diz Daniel. Mas Nabucodonosor não pode vê-lo porque, nesta fase, ele não encontrou o Senhor. Em vez disso, ele acredita que seu poder, seu esforço, trouxeram-lhe o sucesso. Ele está preenchido com o orgulho da auto-realização.

Nabucodonosor sonha com um grande, inspirador e assustador ídolo de metal. Sobre esse ídolo reside uma cabeça de ouro. O ouro da Babilônia. Mas, em seguida, o ídolo de toda realização humana é quebrado em pedaços por uma pequena pedra. A pedra do reino de Deus. Mas nesta fase, Nabucodonosor, apenas ouviu falar do Senhor. Nada mais. E o esmagamento do ídolo do orgulho humano tem pouco significado para ele.

A resistência de Nabucodonosor à humildade continua. Assim, ele constrói um ídolo feito inteiramente de ouro. Com 30 metros de altura, ele só perde para o lendário Colosso de Rodes, uma das maravilhas do mundo antigo, que ficava a 35 metros de altura. Seu tamanho correspondia ao orgulho de Nabucodonosor. Mas quando ele olha para dentro do forno e vê os três amigos caminhando nas chamas com uma outra figura que se parece com um filho dos deuses, a verdade começa a despontar sobre dele. Mas nada mais.

Onde Deus mostra Sua mão afinal? Nabucodonosor sonha com uma árvore. Uma árvore que representa o próprio Nabucodonosor. Seu tamanho correspondia ao ego de Nabucodonosor. A árvore era enorme, seu topo alcançava o céu, e era visível até os confins da terra e isso explica o orgulho de Nabucodonosor. “Não é esta a grande Babilônia?” Em episódios anteriores, Nabucodonosor, quando cercou Jerusalém, era ignorante de Deus, depois ele ouviu de Deus quando Daniel interpretou o sonho do ídolo de metal, então ele viu as obras de Deus, quando os três amigos andaram vivos nas chamas. Mas aqui, ele experimenta Deus. E o que é que lhe traz a experiência de Deus? Humildade.

Um pensamento preocupante para nós, como pastores. Sendo pastores, podemos oscilar entre dois extremos. Por um lado, auto-congratulação e orgulho. A síndrome de Nabucodonosor. Não são estes meus candidatos ao batismo, minha congregação que eu tenho construído e nutrido? Não é esta a minha igreja?

Mas, por outro lado, depressão, nós não estamos realizando o que a Igreja espera de nós. Poucos estudos bíblicos e poucos batismos, dúvidas sobre a nossa vocação, membros inábeis, exigindo dos presidentes da conferência. O antídoto para os dois extremos do orgulho e da depressão é a humildade. A humildade de Nabucodonosor e sua árvore.

A Árvore

A árvore representa Nabucodonosor, grande suserano do império da Babilônia. E a primeira coisa a ocorrer-lhe sobre esta árvore é o seu tamanho (Dan. 4:10, 11). É enorme. Assim como aquele ídolo de metal maciço representando superpotências humanas no capítulo 2. Mas a humilde pedra do reino de Deus quebrou os reinos deste mundo altaneiro. Pois no reino de Deus, tamanho não é importante.

O que poderia ser o que Jesus tinha em mente: “O reino dos céus é semelhante a um grão de mostarda que um homem tomou e plantou no seu campo. Embora seja a menor de todas as sementes, quando cresce, é a maior das hortaliças e torna-se uma árvore, de modo que as aves do céu vêm fazer os ninhos em seus ramos “(Mt 13:31-32 NVI).

Observe que Jesus chama a planta da mostarda uma “árvore”. Isso é um exagero. Não é uma árvore. Mas Ele a chama de uma árvore, porque Seu olho está no Antigo Testamento. E, particularmente, talvez, sobre Daniel 4 e outros lugares onde as árvores representam reinos. No sonho de Nabucodonosor, ele representa o reino da Babilônia como uma grande árvore com o seu topo nos céus e os pássaros em seus galhos. Em Ezequiel, o reino da Assíria é como um enorme cedro do Líbano com aves em seus ramos (Ez 31:3-6, NVI). E Jesus disse que o reino de Deus é como uma árvore de mostarda com pássaros em seus ramos. Mas o reino de Deus e sua árvore de mostarda era muito insignificante ao lado da árvore de Nabucodonosor, que podia ser vista a partir das extremidades da terra, ou do cedro altaneiro da Assíria. Assim como a humilde pedra do reino de Deus era menor em relação ao enorme ídolo de metal. Isso é a coisa surpreendente sobre o reino de Deus. Ele vai chegar de forma surpreendente, não como uma grande árvore, mas como uma humilde planta de jardim. Pois o reino de Deus não é um esmagador império humano, construído em força e poder, mas sim, um humilde empreendimento de fé.

Muitos de nós somos pastores de igrejas pequenas. Assim, poderíamos ser tentados a dizer: “Escute. Eu sei tudo sobre humildade!” A primeira congregação do meu ministério contavam 3 pessoas. Três senhoras de idade. Uma que tocava piano. Uma que recolhia a oferta. E uma que dormia através de cada um dos meus sermões. Eu tinha acabado de chegar como mestre em divindade e pensei que estava aprendendo a humildade. Mas a história de Nabucodonosor é mais profunda, mais significativa do que isso.

A árvore em seu sonho era “grande e forte.” Isso é o que Nabucodonosor disse. ”‘Não é esta a grande Babilônia?” Ele viu toda a glória e poder do seu reino num momento.

Jesus também estave em um lugar alto e viu todos os reinos do mundo num momento. Ele inspecionou as glórias imperiais da Babilônia, Pérsia, Grécia, Roma, China, os astecas, os zulus, França, Grã-Bretanha e os Estados Unidos da América. Ele foi tentado a aceitar os princípios dos reinos deste mundo. “E, elevando-o, mostrou-lhe, num momento, todos os reinos do mundo. Disse-lhe o diabo: Dar-te-ei toda esta autoridade e a glória destes reinos, porque ela me foi entregue, e a dou a quem eu quiser. Portanto, se prostrado me adorares, será toda tua.” (Lucas 4:5-7). “Respondeu-lhe Jesus: Está escrito: Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele servirás” (Lucas 4:8). A resposta de Cristo mostrou que Seu evangelho não é baseado em ambição ou orgulho humano, mas em humilde fé em Deus.

O que, naturalmente, Nabucodonosor finalmente aprende. Ele aprende quando seu orgulho é humilhado. Esta experiência de Nabucodonosor estabelece o padrão para o resto do livro de Daniel. Grandes cidades caem, grandes ídolos são destruídos, bestas terríveis são abatidas, chifres são cortados e enormes árvores arrancadas. Porque nunca aprenderam a lição que Nabucodonosor finalmente aprendeu. O dom da humildade.

O Deus Humilde

Mas qual é o ponto? Qual é o ponto da humildade? Qual é o ponto da humildade para Nabucodonosor? Para nós, como pastores? O ponto da humildade não é, penso eu, simplesmente reconhecer a eternidade, onipotência, onisciência de Deus e ser esmagado por quão grande Ele é. Poderíamos fazer isso, é claro. No entanto, a humildade significa mais. Porque um dos atributos mais importantes de Deus, e um dos mais esquecidos, é a humildade de Deus, pois Deus é um Deus humilde. E quando nós exercitamos a humildade, nós experimentamos algo de Deus. Quando nós exercitamos a humildade, chegamos perto do coração de Deus.

Claro, a Bíblia apresenta a majestade de Deus. Isaías vê o Senhor sentado num trono, e a orla de Seu manto enche o templo. Mas essas passagens apenas tornam a humildade de Deus ainda mais deslumbrante.

“Ele não tinha beleza ou majestade que nos atraísse para ele, nada em sua aparência que nos agradasse. Ele foi desprezado e rejeitado pelos homens, um homem de dores, e experimentado no sofrimento.
Como um de quem os homens escondem o rosto, era desprezado, e dele não fizemos caso” (Isaías 53:2-3 – NVI).

Por suas ações, Cristo exemplificou a humildade. “Jesus, sabendo que o Pai lhe entregara tudo nas mãos, e que viera de Deus e para Deus voltava, levantou-se da ceia, tirou o manto e, tomando uma toalha, cingiu-se. Depois deitou água na bacia e começou a lavar os pés aos discípulos, e a enxugar-lhos com a toalha com que estava cingido!” (João 13:3-5).

Qual foi, finalmente, a lição aprendida por Nabucodonosor. O rei Nabucodonosor II, grande suserano do Império Neo-Babilônico, aprendeu a humildade, tomando a forma de um boi (Daniel 4:33-37). Mas Cristo, “subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus. . . antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo” (Filipenses 2:6-7). Quando Nabucodonosor experimentou a humildade, ele chegou perto do coração de Deus.

E este evangelho da humildade necessita de pastores da humildade. Porque quando os pastores experimentam a humildade, nós também, chegamos perto do coração de Deus.

Alguns anos atrás, eu assistia a uma pequena igreja na costa leste dos Estados Unidos. Com cerca de 50 membros. Em nossa classe da Escola Sabatina ocasionalmente havia um visitante. Ele não era membro da igreja, mas ele conhecia o Senhor. De fala mansa. Despretensioso. Contribuia pensativo e silenciosamente para a discussão da Escola Sabatina. John era seu nome. Nós normalmente só falávamos sobre questões espirituais em sala de aula. Mas um dia, depois da igreja, começamos a conversar. Era época dos jogos olímpicos. Perguntei-lhe se ele tinha assistido algo.

“Oh, um pouco, você sabe.”
“Você gosta de atletismo, John?”
“Oh, sim. Eu praticava um pouco quando eu era mais jovem. “
“Sério? Alguma vez você correu competitivamente? “
“Oh, um pouco.”
“Então, qual foi sua maior realização?”
“Bem, eu suponho”, disse ele, “quando eu ganhei a medalha de ouro na Olimpíada.”

John. John Woodruff, Olimpíadas de 1936, Berlim. Oitocentos metros finais. Em um tempo de um minuto e 52,9 segundos. John Woodruff: um membro da escola sabatina e campeão olímpico. E se eu não tivesse feito uma pergunta ignorante, Eu nunca o saberia.

Conclusão:

Como mencionado, eu ensino homilética. E sou frequentemente questionado: ”Qual é a qualidade mais importante que você precisa para se tornar um bom pregador?”. Eu nunca sei o que dizer. Há tantas qualidades necessárias. Mas a mais importante? Recentemente, porém, percebi qual é: humildade. Humildade para levar a sério a pregação. Humildade para aceitar a autoridade das Escrituras. Humildade para aceitar que o Espírito Santo trabalha mais através do suor do estudo e preparação do que Ele faz no chuveiro, na manhã de sábado. Humildade para aceitar que o que nossas congregações não precisam é de nossa inteligência, anedotas triviais, clichês surrados, mas do fruto da nossa batalha com a Escritura e o fruto da nossa experiência espiritual.

Há mais para o ministério da pregação. Mas, por qualquer meio, como pastores, quando anunciamos o Evangelho de Jesus Cristo, proclamamos o triunfo da humildade sobre o orgulho e o status. Precisamos orar pelo triunfo da humildade em nosso próprio ministério.

“Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus; antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana, a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz” (Filipenses 2:5-8).

Talvez por isso Miquéias colocou dessa forma: “Ele te declarou, ó homem, o que é bom; e que é o que o Senhor requer de ti, senão que pratiques a justiça, e ames a benevolência, e andes humildemente com o teu Deus?” (Miquéias 6:8)

Texto de autoria de Laurence Turner publicado na Revista Ministry Magazine edição Março/2008. Crédito da Tradução: Blog Sétimo Dia http://setimodia.wordpress.com/
avatar
Eduardo

Mensagens : 5997
Idade : 47
Inscrição : 08/05/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

- Tópicos similares
Compartilhar este artigo em: diggdeliciousredditstumbleuponslashdotyahoogooglelive

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum