Últimos assuntos
» Decreto dominical a caminho
Dom Fev 19, 2017 7:48 pm por Augusto

» Acordem adventistas...
Ter Fev 07, 2017 8:37 pm por Augusto

» O que Vestir Para Ir à Igreja?
Qui Dez 01, 2016 7:46 pm por Augusto

» Ir para o céu?
Qui Nov 17, 2016 7:40 pm por Augusto

» Chat do Forum
Sab Ago 27, 2016 10:51 pm por Edgardst

» TV Novo Tempo...
Qua Ago 24, 2016 8:40 pm por Augusto

» Lutas de MMA são usadas como estratégia por Igreja Evangélica para atrair mais fiéis
Dom Ago 21, 2016 10:12 am por Augusto

» Lew Wallace, autor do célebre livro «Ben-Hur», converteu-se quando o escrevia
Seg Ago 15, 2016 7:00 pm por Eduardo

» Ex-pastor evangélico é batizado no Pará
Qua Jul 27, 2016 10:00 am por Eduardo

» Citações de Ellen White sobre a Vida em Outros Planetas Não Caídos em Pecado
Ter Jul 26, 2016 9:29 pm por Eduardo

» Viagem ao Sobrenatural - Roger Morneau
Dom Jul 24, 2016 6:52 pm por Eduardo

» As aparições de Jesus após sua morte não poderiam ter sido alucinações?
Sab Jul 23, 2016 4:04 pm por Eduardo

SEU IP
IP

O que todos deveriam saber sobre a datação radiométrica

Ir em baixo

04012011

Mensagem 

O que todos deveriam saber sobre a datação radiométrica






O que todos deveriam saber sobre a datação radiométrica

A datação radiométrica é o procedimento através do qual os geólogos tentam estimar a idade de uma rocha, baseando-se no processo de desintegração radioactiva de determinados elementos instáveis. As rochas possuem certos elementos instáveis, o que significa que o núcleo dos seus átomos se desintegra espontaneamente, permitindo a transformação dos referidos elementos (chamados isótopos-pai) noutros diferentes mais estáveis (isótopos-filho).

O evolucionista refere muito estes métodos como evidência da extrema antiguidade da Terra, como se a medição da quantidade de isótopos numa rocha revelasse directamente a idade da mesma. O cristão que acredita na Bíblia deve ter em mente as pressuposições assumidas pelos geólogos quando utilizam estes métodos.
Na palestra em Espinho, um dos presentes referiu um destes métodos para afirmar que a ciência provou que a Terra tem mais que 10.000 anos. Eu perguntei se ele sabia as pressuposições dos geólogos ao utilizar estes métodos. Como a resposta foi negativa, utilizei um exemplo para mostrar o que é assumido na datação radiométrica.
Desenhei no quadro um esquema como o que se encontra à esquerda deste post, com variáveis diferentes. Vou falar como se tivesse utilizado as variáveis presentes nesta ilustração, para facilitar a compreensão.
Perguntei quanto tempo demorou para o copo ficar com aquela quantidade de água, com base nos valores conhecidos. A resposta foi rápida: 6 horas! Perguntei se os restantes concordavam. Todos concordaram.
Eu disse “muito bem” e em seguida perguntei se tinham notado aquilo que eles assumiram para avançarem com essa resposta. Uma voz disse: “Que a torneira esteve sempre a correr à mesma velocidade“. Eu disse “muito bem” e perguntei: “E quanto ao copo?“. Da audiência veio outra resposta: “Que o copo estava vazio quando a torneira começou a correr“.
Fiquei contente porque as pessoas deram conta daquilo que elas tiveram de assumir para chegar à resposta das “6 horas“. E ainda faltou referir outra coisa que foi assumida: que não houve “contaminação” externa, isto é, que a água do copo só veio da torneira.
Voltando à datação radiométrica
Pois é, com a datação radiométrica acontece precisamente a mesma coisa. Os geólogos assumem:
1) Que a taxa de decaimento dos isótopos radioactivos foi sempre constante;
2) Que não houve contaminação externa (isto é, que nenhuma quantidade de isótopos-pai ou isótopos-filho entrou ou saiu da amostra);
3) Que as condições iniciais da amostra são conhecidas (isto é, que não havia isótopos-filho na amostra).
CONCLUSÃO
É bom ter em mente o que está por trás dos métodos de datação radiométrica. Uma coisa é medir a quantidade de isótopos-pai e isótopos-filho presentes em determinada rocha. Isso é possível fazer com grande precisão. Outra coisa totalmente diferente é extrapolar essa observação para determinar a idade da rocha em questão. Isso depende de factores não observados e não conhecidos que simplesmente se têm de assumir. Não dá para voltar atrás no tempo até à altura em que a rocha se começou a formar e acompanhar o seu desenvolvimento.

Se os métodos de datação fossem aquilo que os evolucionistas gostariam que eles fossem… Abril 13, 2009, 8:33 pm
Filed under: Evolução/Big-Bang, Respostas a Ateus

O professor Ludwig Krippahl, ardente ateu evolucionista, respondeu ao meu post O que toda a gente devia saber sobre a datação radiométrica. O post dele pode ser lido aqui. Leiam-no e depois voltem cá.
____________________________________________________________________
O Ludwig pretende mostrar como eu estou errado em dizer que os geólogos assumem coisas que não se podem saber, mostrando como os métodos de datação estão cientificamente bem fundamentados, dando como exemplo o método do Rubídio (Rb) -Estrôncio (Sr).
A verdade é que os métodos de datação não são aquilo que o Ludwig gostaria que eles fossem. Ao contrário do que a maioria das pessoas pensa, os métodos de datação não são líderes, mas sim seguidores. Eles limitam-se a “comprovar” o panorama que os geólogos têm mais ou menos em mente (Aliás, a “ciência” já sabia que a Terra era antiga antes do advento dos métodos radiométricos). Quando eles dão idades “erradas”, o geólogo trata de arranjar explicações para o sucedido (temos o exemplo da “idade” atribuída às lavas basálticas das quedas de água do rio Colorado, que não coincidia com o observado). Quando eles dão idades “correctas”, a idade é aceite como traduzindo a realidade.
Eu posso estar aqui a escrever dezenas e dezenas de linhas a barafustar contra os métodos de datação, mas não há nada melhor do que o fazer com exemplos práticos. O professor Ludwig dá a teoria. Eu dou a prática.
1) Se os métodos de datação fossem fiáveis, então teríamos materiais mais velhos do que a própria Terra. O método potássio-árgon deu uma idade de 6 biliões de anos a diamantes do Zaire [meu destacado]:

A group of 10 cubic diamonds from Zaire has been found1 to contain correlated concentrations of 40Ar and K which, interpreted as a whole-rock K−Ar isochron with the usual assumptions, yield the unreasonable age of 6.0 Gyr.” (In Nature)
2) Se os métodos de datação fossem fiáveis, então teríamos de aceitar as idades discordantes entre os diferentes métodos. E já que o Ludwig deu o exemplo do Rb-Sr, vamos usar um exemplo onde esse método foi utilizado. As lavas de Cardenas, um dos estratos mais antigos do Grand Canyon, foram “datadas” com 2 métodos diferentes. O potássio-árgon deu uma idade de 845 milhões de anos. O Rubídio-estrôncio deu uma idade de 1090 milhões de anos. Estamos a falar de uma diferença de 245 milhões de anos. Os cientistas aceitaram a idade que foi dada pelo rubídio-estrôncio, tendo fornecido possíveis explicações para a idade dada pelo outro método.
3) Se os métodos de datação fossem fiáveis, então teríamos de aceitar idades antiquíssimas para material que se sabe que é recente. A datação de lavas proveninentes do vulcão Kilauea, no Havai, deu a idade de 22 milhões de anos. Lavas do vulcão Hualalai, também no Havai, que não têm mais de 210 anos, deram idades elevadíssimas [meu destacado]:

Isotopic studies have been made of the inert gases present in ultramafic xenoliths from two sites in Hawaii, the 1800–1801 Kaupulehu flow (Hualalai Volcano, Hawaii) and Salt Lake Crater (Oahu). Apparent ages calculated from the measurement of radiogenic argon and helium have very high values.” (In Journal of Geophysical Research)
Se nos dermos ao trabalho de procurar, mais exemplos teremos da comédia da datação evolucionista. Se a “idade” dada pelo método não trouxer problemas ao paradigma evolucionista, ela será aceite pelo geólogo evolucionista. Mas caso ela entre em conflito com o seu paradigma, possíveis cenários serão adiantadas para explicar as disparidades. Isto acontece porque a datação radiométrica não é ciência objectiva.
Os métodos de datação falham em material que nós sabemos que tem pouca idade. No entanto, querem que confiemos neles quando estes nos “dizem” a idade de material que ninguém viu ser formado.
O professor Ludwig tem a ousadia de dizer:

Sabemos a idade do universo como sabemos que são 314 km de Lisboa ao Porto.
O problema é que não sabemos a idade do universo como sabemos que são 314 km de Lisboa ao Porto. Calcular a distância de Lisboa ao Porto faz parte da ciência experimental. Já a adivinhação da idade do Universo encontra-se no terreno frágil da ciência histórica, porque nenhum de nós esteve lá para acompanhar os seus aniversários.
avatar
Eduardo

Mensagens : 5997
Idade : 48
Inscrição : 08/05/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

- Tópicos similares
Compartilhar este artigo em: diggdeliciousredditstumbleuponslashdotyahoogooglelive

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum