Últimos assuntos
» Decreto dominical a caminho
Dom Fev 19, 2017 7:48 pm por Augusto

» Acordem adventistas...
Ter Fev 07, 2017 8:37 pm por Augusto

» O que Vestir Para Ir à Igreja?
Qui Dez 01, 2016 7:46 pm por Augusto

» Ir para o céu?
Qui Nov 17, 2016 7:40 pm por Augusto

» Chat do Forum
Sab Ago 27, 2016 10:51 pm por Edgardst

» TV Novo Tempo...
Qua Ago 24, 2016 8:40 pm por Augusto

» Lutas de MMA são usadas como estratégia por Igreja Evangélica para atrair mais fiéis
Dom Ago 21, 2016 10:12 am por Augusto

» Lew Wallace, autor do célebre livro «Ben-Hur», converteu-se quando o escrevia
Seg Ago 15, 2016 7:00 pm por Eduardo

» Ex-pastor evangélico é batizado no Pará
Qua Jul 27, 2016 10:00 am por Eduardo

» Citações de Ellen White sobre a Vida em Outros Planetas Não Caídos em Pecado
Ter Jul 26, 2016 9:29 pm por Eduardo

» Viagem ao Sobrenatural - Roger Morneau
Dom Jul 24, 2016 6:52 pm por Eduardo

» As aparições de Jesus após sua morte não poderiam ter sido alucinações?
Sab Jul 23, 2016 4:04 pm por Eduardo

SEU IP
IP

Declarações em defesa do domingo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

11012011

Mensagem 

Declarações em defesa do domingo




Uma outra dimensão da existência


A ideia de repouso nos é incutida desde os albores da humanidade. Relata o Gênesis: “Deus repousou, no sétimo dia, do trabalho por ele realizado. Abençoou o sétimo dia e santificou-o, visto ter sido nesse dia que Deus repousou de toda a obra da criação” (2,1-2).

A Sagrada Escritura, em muitas ocasiões, ao abordar este tema, apresenta-o sob uma perspectiva religiosa. Além de ser sinal da libertação do cativeiro do Egito, esse “pacto imutável” (Ex 31,16) possui um alto significado: “Entre mim e os filhos de Israel é um sinal externo, testemunho de que o Senhor fez os céus e a terra em seis dias e no sétimo dia terminou a obra e descansou” (Ex 31,17).

Tais prescrições são de caráter espiritual e, naquilo que elas têm de essencial, continuam válidas para o cristianismo. Não se reduzem a uma mera abstenção de ocupações servis, mas incluem, como dever, as atividades decorrentes do relacionamento com Deus.

Trata-se também de uma exigência da constituição de nosso corpo e da estrutura familiar e social. Há um exemplo que ilustra tipicamente a importância de um dia por semana no qual sejam suspensos os trabalhos em obediência ao mandamento do descanso dominical. Na Revolução Francesa, levado pela cegueira do anticlericalismo – infelizmente não de todo superado em nossos dias – La Revellière, membro do Diretório, tentando concretizar o plano de uma nova religião, lançada em 1796, introduziu, em 1798, a substituição da semana de sete dias por outra, de dez, proposta por Dovai. Protegidos pelo governo, empregaram toda sorte de violência para pôr em prática sua ideia (Hubert Jedin, vol. VII, pág..91). O total fracasso veio da reação, nascida da própria natureza humana, que revelou a inviabilidade do plano.

O corpo pede um repouso semanal, como também a vida familiar e social. O lar se edifica com a convivência de seus membros, o que ocorre por ocasião do “dia do descanso”, usufruído por seus integrantes em conjunto. Dada a dimensão espiritual do homem, o dia consagrado ao Senhor goza de grande importância.

O domingo é fundamental também para o bem-estar social. Ele cria condições para um desenvolvimento integral. Sem ele, a formação humana restaria incompleta. Os valores transcendentais, fruto da fé, nos são incutidos de modo particular nessa comunidade. O repouso dominical, pois, deve ocupar um lugar bem acima das vantagens econômicas e financeiras. Sua transgressão acarreta prejuízos, inclusive de ordem material, ao ferir nosso equilíbrio. Para nós, cristãos, o domingo ocupa um lugar sagrado. Diz o Concílio Vaticano II, na constituição Sacrosanctum Concilium: “Devido à tradição apostólica, que tem sua origem no dia mesmo da Ressurreição de Cristo, a Igreja celebra a cada oitavo dia o Mistério Pascal. Esse dia chama-se justamente Dia do Senhor ou domingo” (nº 106).

Em nossa época, urge “respeitar o domingo, recuperando o seu originário significado religioso de Dia do Senhor pela participação na eucaristia, e a sua relevância social de dia de descanso e do encontro pessoal, pela presença à mesa e diálogo da vida dos seus e, ainda, pelo serviço de comunhão e solidariedade com os doentes e atribulados” (João Paulo II, aos bispos portugueses, em 27/11/1992).

Deus constituiu uma ordem no mundo. Primeiro, os valores espirituais e, a seguir, as necessidades meramente econômicas. Assim, ao se falar de repouso dominical, cabe a primazia ao religioso e não ao financeiro. Não se torna melhor a pessoa, a sociedade, simplesmente aumentando vendas no comércio. Quando os valores são quebrados ou desprezados surge o desequilíbrio, com repercussões na vida social e particular. Ao lado desse dever imposto por Deus, com efeito no campo físico e psicológico, há um outro traço a salientar: as férias.

Nesta época do ano, são milhões os que suspendem suas atividades em busca de um equilíbrio de forças para alcançar a indispensável recuperação na alma e no corpo. “Daqui a exigência de as férias serem efetivamente um período de renovação humana em que, longe do habitual ambiente de vida, é possível encontrar-se a si mesmo e os outros, numa dimensão mais equilibrada e serena” (João Paulo II, Ângelus, 01/08/1999).

Fonte - Jornal do Brasil

Poderá também gostar de:

avatar
Eduardo

Mensagens : 5997
Idade : 47
Inscrição : 08/05/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

- Tópicos similares
Compartilhar este artigo em: diggdeliciousredditstumbleuponslashdotyahoogooglelive

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum