Últimos assuntos
» Decreto dominical a caminho
Dom Fev 19, 2017 7:48 pm por Augusto

» Acordem adventistas...
Ter Fev 07, 2017 8:37 pm por Augusto

» O que Vestir Para Ir à Igreja?
Qui Dez 01, 2016 7:46 pm por Augusto

» Ir para o céu?
Qui Nov 17, 2016 7:40 pm por Augusto

» Chat do Forum
Sab Ago 27, 2016 10:51 pm por Edgardst

» TV Novo Tempo...
Qua Ago 24, 2016 8:40 pm por Augusto

» Lutas de MMA são usadas como estratégia por Igreja Evangélica para atrair mais fiéis
Dom Ago 21, 2016 10:12 am por Augusto

» Lew Wallace, autor do célebre livro «Ben-Hur», converteu-se quando o escrevia
Seg Ago 15, 2016 7:00 pm por Eduardo

» Ex-pastor evangélico é batizado no Pará
Qua Jul 27, 2016 10:00 am por Eduardo

» Citações de Ellen White sobre a Vida em Outros Planetas Não Caídos em Pecado
Ter Jul 26, 2016 9:29 pm por Eduardo

» Viagem ao Sobrenatural - Roger Morneau
Dom Jul 24, 2016 6:52 pm por Eduardo

» As aparições de Jesus após sua morte não poderiam ter sido alucinações?
Sab Jul 23, 2016 4:04 pm por Eduardo

SEU IP
IP

Nova moda: Casados por 1 dia

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

11012011

Mensagem 

Nova moda: Casados por 1 dia






Fruto do modus vivendi distante de Deus



NOVA MODA PÓS-MODERNA: "CASADOS POR 1 DIA"


  • Está chegando um novo estilo de se relacionar entre homens e mulheres.

Silvia e Ricardo se conhecem no Skype e ficam bem amigos. Papo vai, papo vem, começam a se lembrar dos momentos bons dos seus casamentos com os respectivos ex. Sim, dá certa saudade. Então, resolvem experimentar a fantasia de fingir que são casados durante um fim de semana. Na sexta-feira, ela vai para a casa dele. Na “programação”, incluem ir ao cinema, passear de moto e transar. E ele ainda a apresenta como “minha mulher” no restaurante japonês. No domingo, ela volta para a sua casa, tudo numa boa. Talvez façam isso novamente, talvez nunca mais.
Sandro tem uma amiga que, às vezes, precisa ir ao Estado onde ele mora. Ela fica na casa dele por alguns dias e, como os dois são solteiros, aproveitam para viver como um casal. Ele cozinha para ela, assistem à TV de mãos dadas, ela faz massagem nele etc. Antes de ir embora, ela pede uma avaliação de como se saiu como “esposa” para os futuros relacionamentos.
Sim, está chegando aí um estilo de relação que podemos chamar de “casados por um dia”.
“Os modelos tradicionais de comportamento não estão mais dando respostas satisfatórias. Abre-se, assim, um espaço para cada um escolher sua forma de viver, o que é uma grande vantagem. Afinal, enquadrando-se em modelos as pessoas perdem suas singularidades e todas se tornam parecidas”, afirma a psicanalista e sexóloga carioca Regina Navarro Lins. Para ela, tudo indica que daqui a algumas décadas haverá uma grande variedade de relacionamentos. “No futuro, as pessoas experimentarão diferentes formas de estar juntas. Pode haver relações duradouras, mas talvez não sejam predominantes. Os ‘casados por um dia’ podem ser um sinal disso”, acredita a psicanalista.

Para a psicóloga junguiana Neiva Luci, casamento no modelo tradicional, com a característica da dependência psicológica - “eu não existo sem você” - está fadado a não progredir. Isso porque, hoje, cada um existe por si só, reconhece sua individualidade, suas preferências e anseia por viver as suas capacidades, descobrir os seus dons e realizar fazendo a diferença. “Quanto mais presos às regras e ao controle social, ao repetir para não causar conflito, mais temos frustração com a pessoa que somos e com as relações que queremos - sem realmente querer. Aí repetimos, nos frustramos, sofremos... Para muitos, é uma dependência emocional em que se vive como prisioneiro de um círculo vicioso”, completa Neiva.Fonte: Uol

NOTA: O que vem depois? "Pais por 1 dia"? Outra coisa: "não há frustração" em um relacionamento como esse? Como alguém pode, ainda utilizando-se de suas prerrogativas psicologistas, defender um tipo de relacionamento que existe pragmaticamente negando tudo o que um casamento normal é, ou seja, feito para durar, eterno? Esta pseudo-defesa científica da questão é o que mais me irrita em nos informes de práticas esdrúxulas como esta. Sinal óbvio de como andam os tempos.

Em Cristo Jesus,
Pr. Artur Eduardo

Vêm aí os “casados por um dia”


Silvia e Ricardo se conhecem no Skype e ficam bem amigos. Papo vai, papo vem, começam a se lembrar dos momentos bons dos seus casamentos com os respectivos ex. Sim, dá certa saudade. Então, resolvem experimentar a fantasia de fingir que são casados durante um fim de semana. Na sexta-feira, ela vai para a casa dele. Na “programação”, incluem ir ao cinema, passear de moto e transar. E ele ainda a apresenta como “minha mulher” no restaurante japonês. No domingo, ela volta para a sua casa, tudo numa boa. Talvez façam isso novamente, talvez nunca mais. Já Sandro tem uma amiga que, às vezes, precisa ir ao Estado onde ele mora. Ela fica na casa dele por alguns dias e, como os dois são solteiros, aproveitam para viver como um casal. Ele cozinha para ela, assistem à TV de mãos dadas, ela faz massagem nele, etc. Antes de ir embora, ela pede uma avaliação de como se saiu como “esposa” para os futuros relacionamentos. Sim, está chegando aí um estilo de relação que podemos chamar de “casados por um dia”.

“Os modelos tradicionais de comportamento não estão mais dando respostas satisfatórias. Abre-se, assim, um espaço para cada um escolher sua forma de viver, o que é uma grande vantagem. Afinal, enquadrando-se em modelos as pessoas perdem suas singularidades e todas se tornam parecidas”, afirma a psicanalista e sexóloga carioca Regina Navarro Lins. Para ela, tudo indica que daqui a algumas décadas haverá uma grande variedade de relacionamentos. “No futuro, as pessoas experimentarão diferentes formas de estar juntas. Pode haver relações duradouras, mas talvez não sejam predominantes. Os ‘casados por um dia’ podem ser um sinal disso”, acredita a psicanalista.

Para a psicóloga junguiana Neiva Luci, casamento no modelo tradicional, com a característica da dependência psicológica - “eu não existo sem você” - está fadado a não progredir. Isso porque, hoje, cada um existe por si só, reconhece sua individualidade, suas preferências e anseia por viver as suas capacidades, descobrir os seus dons e realizar fazendo a diferença. “Quanto mais presos às regras e ao controle social, ao repetir para não causar conflito, mais temos frustração com a pessoa que somos e com as relações que queremos - sem realmente querer. Aí repetimos, nos frustramos, sofremos... Para muitos, é uma dependência emocional em que se vive como prisioneiro de um círculo vicioso”, completa Neiva.

[Segundo Ricardo, um “marido por um dia” entrevistado], “casamento por um dia” é “como ir ao parque de diversões. É especialmente bacana quando há sintonia e se sabe que todos querem se divertir, mas com carinho no final e sem ‘ti amu’ acoplado no default. [...] Como o ‘casamento por um dia’ tem prazo de validade, ninguém tem expectativas e ninguém cobra ninguém”.

(UOL)

Nota: Já está provado por pesquisas que relacionamento sexual sem compromisso e afeto leva à depressão e à baixa autoestima. Esse tal “casamento por um dia” é reflexo de uma sociedade hedonista que não quer saber de compromisso (nem com Deus, nem com o semelhante, nem com a sociedade, só com seus prazeres). Brincar de marido e mulher e evitar dizer “te amo”, preocupando-se apenas com a “performance”? Que mundo é este que estão querendo? Que legado deixarão para os eventuais filhos desses casamentos? Essas pessoas poderão ser também pais por apenas um dia? Parem o mundo que eu quero descer! O Apóstolo Paulo, inspirado por Deus, já havia previsto esta situação há dois mil anos: ele disse que os homens serão amantes dos prazeres, mas não serão amigos de Deus (cf. 2ª Timóteo 3:2).[MB]
avatar
Eduardo

Mensagens : 5997
Idade : 47
Inscrição : 08/05/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

- Tópicos similares
Compartilhar este artigo em: diggdeliciousredditstumbleuponslashdotyahoogooglelive

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum