Últimos assuntos
» Decreto dominical a caminho
Dom Fev 19, 2017 7:48 pm por Augusto

» Acordem adventistas...
Ter Fev 07, 2017 8:37 pm por Augusto

» O que Vestir Para Ir à Igreja?
Qui Dez 01, 2016 7:46 pm por Augusto

» Ir para o céu?
Qui Nov 17, 2016 7:40 pm por Augusto

» Chat do Forum
Sab Ago 27, 2016 10:51 pm por Edgardst

» TV Novo Tempo...
Qua Ago 24, 2016 8:40 pm por Augusto

» Lutas de MMA são usadas como estratégia por Igreja Evangélica para atrair mais fiéis
Dom Ago 21, 2016 10:12 am por Augusto

» Lew Wallace, autor do célebre livro «Ben-Hur», converteu-se quando o escrevia
Seg Ago 15, 2016 7:00 pm por Eduardo

» Ex-pastor evangélico é batizado no Pará
Qua Jul 27, 2016 10:00 am por Eduardo

» Citações de Ellen White sobre a Vida em Outros Planetas Não Caídos em Pecado
Ter Jul 26, 2016 9:29 pm por Eduardo

» Viagem ao Sobrenatural - Roger Morneau
Dom Jul 24, 2016 6:52 pm por Eduardo

» As aparições de Jesus após sua morte não poderiam ter sido alucinações?
Sab Jul 23, 2016 4:04 pm por Eduardo

SEU IP
IP

Catástrofes Naturais

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

14012011

Mensagem 

Catástrofes Naturais







Catástrofes Naturais e Fim do Mundo

Publicado em 14/01/2011 por Blog Sétimo Dia








Pesquisadores norte-americanos do Fundo Mundial para a Natureza esboçaram um cenário caótico do planeta Terra em 2100, caso ele chegue até lá. O quadro seria o resultado de preocupantes calamidades e alterações na natureza; migração e extinção de algumas espécies de aves e animais, sepultamento de cidades e ilhas, provocado pelo aumento do nível das águas do mar; inundações, nevascas, furacões e ciclones ceifando vidas a cada ano.

Os cientistas ainda concluíram que o aquecimento global poderá causar mudanças radicais em aproximadamente um terço dos habitats de vida vegetal e animal, até o fim do século 21, afetando assim a sobrevivência de várias espécies. Em alguns locais, até 20% das espécies podem sumir devido à diminuição dos habitats. O relatório prevê ainda que regiões do Canadá, Rússia e Escandinávia poderão perder acima de 50% de seus habitats.

Tais previsões soam como o eco da mensagem contida num bilhete manuscrito por Albert Einstein. Ainda no período pós-guerra, o famoso físico alemão escreveu ao prsidente dos Estados Unidos, Franklin Delano Roosevelt: “Atenção! O planeta Terra pode ser destruído”.

Contudo, não precisamos viver até 2100 para comprovar “que toda a criação, a um só tempo, geme e suporta angústias até agora” (Rom. 8:22). Certamente não. O espetáculo anunciado já se desenvolve em cenas assombrosamente rápidas diante de nós. O aquecimento global é mais que uma hipótese. A temperatura média da Terra foi elevada em um grau nos últimos 120 anos, fazendo derreter o gelo das calotas polares. Os oceanos estão ficando mais quentes, enchentes e secas se tornaram mais violentas, animais mudam suas rotas migratórias, cai a diferença de temperatura entre o dia e a noite; ondas de calor já mataram milhares, a biodiversidade empobrece.

Catástrofes são cada vez mais freqüentes. Há alguns anos atrás, 280 mil mortos, além de desabrigados, foram o resultado de um tsunami na Ásia. O furacão Katrina devastou a cidade de Nova Orleans, nos Estados Unidos. O Brasil também já sentiu, em março de 2004, a fúria de um desses fenômenos que matou pelo menos três pessoas e destruiu milhares de casas na região sul do País. E até o amazônida brasileiro, cercado de água por todos os lados – quem diria! – chegou a experimentar os rigores de uma seca, em 2005.
Leque de explicações



Esses fenômenos extremos, cuja ocorrência é cada vez mais freqüente na atmosfera, na hidrosfera e na crosta terrestre, têm chamado a atenção não apenas da população comum, mas também dos especialistas em diversas áreas científicas, tais como meteorologia e climatologia, oceanologia, geofísica e geologia. São também motivo de preocupação para as autoridades governamentais, empenhadas em criar leis de proteção ambiental e estabelecer outras medidas preventivas que garantam a segurança da população, e que tenham a responsabilidade de prestar assistência aos que são surpreendidos pelas calamidades.

Perplexos, todos se debruçam sobre pesquisas e análises, em busca das causas a partir das quais pretendem achar soluções. E não faltam tentativas de explicação. Propaga-se, por exemplo, a idéia de que estaria em curso uma “extinção em massa” a sexta de um ciclo que teria iniciado há supostos 250 milhões de anos. Há os que reconhecem a mão predadora do homem por trás do desequilíbrio natural. As catástrofes e alterações da natureza seriam apenas a reação dela às agressões sofridas. A intromissão do homem na natureza, explorando seus recursos, criou situações ambientais críticas como, por exemplo, a ameaça de esgotamento das fontes de água limpa, a mudança climática, a perda de biodiversidade, a poluição e a redução dos recursos energéticos. Não se trata de um conceito descartável, a não ser quando muitos dentre seus defensores depositam na capacidade inventiva do ser humano a esperança de conserto e ajustes.

De acordo com o Dr. Ruy Camargo Vieira, presidente da Sociedade Criacíonísta Brasileira, “um ponto de vista que tem sido considerado é o de que o planeta Terra – que supostamente deveria ter atingido um estágio de relativa estabilidade no decorrer de supostos milhões de anos de lenta evolução, durante os quais não houve catástrofes, – está em um processo de estabilização em que elas ocorrem, particularmente desde o grande evento catastrófico a que os geólogos chamam de ‘Evento K/T,’ e que a Bíblia chama de ‘Dilúvio Universal.’

“Segundo esse ponto de vista, o processo de estabilização envolveria episódios de vulcanismo (vulcões e fendas dorsais oceânicas) e sismos (terremotos e maremotos), devidos ao deslocamento de placas tectónicas, que implicam variações no nível dos oceanos, juntamente com efeitos colaterais na atmosfera que, por sua vez, implicam variações no clima global’.’

O Dr. Vieira lembra ainda: “Não devemos esquecer também, os danosos efeitos que as experiências nucleares e a contínua e crescente emissão de poluentes têm causado mais recentemente no equilíbrio da atmosfera, inclusive na chamada camada de ozônio’.”

Porém, diligente pesquisador criacionista convicto e incansável combatente em favor de uma visão científica imparcial, alerta no sentido de que ”devemos estar despertos contra a aceitação precipitada de qualquer explicação divulgada pelos meios de comunicação de massa, e tida como cientificamente comprovada”. Ele sabe que existe sempre a possibilidade de manipulação de informações e especulações materialistas.

Por isso mesmo, enquanto se move pelos meandros científicos, o Dr. Vieira faz questão de mencionar a escatologia bíblica como fonte de explicação para o atual desequilíbrio da natureza: “Sob o ponto de vista bíblico, não deixam de ser previsíveis catástrofes naturais, dentro do quadro profético referente à volta de Cristo e ao fim do mundo. No próprio sermão profético de Cristo (Mateus 24), foram Suas as palavras ligando a ocorrência desses fenômenos com a proximidade do fim. Para aqueles que esquadrinham as revelações bíblicas, não há dúvida de que eles são um sinal dos tempos.
Sinais do fim



Este é o ponto. Ao analisarmos os fenômenos catastróficos da natureza, não é sábio desprezar o testemunho das Escrituras. Já no Antigo Testamento, eles aparecem prenunciando juízos de Deus. Um exemplo disso pode ser visto nas pragas que caíram sobre o Egito, antes da libertação dos israelitas (Êxo. 10). Outro caso similar aparece no longo dia de Josué, no qual os israelitas foram habilitados a retribuir o julgamento sobre os cananeus (Jos. 10:12-14). Nos dias de Débora e Baraque, os elementos da natureza lutaram contra os inimigos do povo de Deus. Em certa ocasião, o ribeiro de Quisom varreu o exército cananeu que estava acampado em suas margens. Seguramente, uma chuva repentina e torrencial o fez transbordar e também enlameou o solo argiloso do vale de tal forma que as carruagens inimigas ficaram totalmente inutilizadas (Juízes 5:20 e 21).

E no Novo Testamento, os evangelistas relatam o diálogo entre Cristo e os discípulos: “No Monte das Oliveiras, achava-Se Jesus assentado, quando se aproximaram dEle os discípulos, em particular, e Lhe pediram: Dize-nos quando sucederão estas coisas, e que sinal haverá da Tua vinda e da consumação do século. E Ele lhes respondeu; … Porquanto haverá fomes e terremotos em vários lugares. … Logo em seguida à tribulação daqueles dias, o Sol escurecerá, a Lua não dará a sua claridade, as estrelas do firmamento e os poderes dos céus serão abalados” (Mat. 24:3,7 e 29);”… sobre a Terra, [haverá] angústia entre as nações em perplexidade por causa do bramido do mar e das ondas” (Luc. 21:25).

Os eventos mencionados por Cristo, entretanto, não assinalavam o fim dos tempos. Eles são desencadeados “em seguida à tribulação daqueles dias”; à “grande tribulação” (Mat 24:21), ou a grande perseguição aos cristãos levada a efeito na Idade Média, sinalizando que o mundo entrava no período conhecido como “tempo do fim.’ Na descrição da abertura do sexto selo, no livro do Apocalipse, aparecem os mesmos fenômenos: ”Vi quando o Cordeiro abriu o sexto selo, e sobreveio grande terremoto. O Sol se tornou negro como saco de crina, a Lua toda, como sangue, as estrelas do céu caíram pela Terra, como a figueira, quando abalada por vento forte, deixa cair os seus figos verdes (Apoc. 6:12 e 13).
Terremotos



A menção de terremotos, tanto na descrição dos evangelhos quanto no Apocalipse, é digna de especial atenção. Os céticos podem argumentar que eles sempre ocorreram e, por isso, não seriam, necessariamente, um indicativo da aproximação do fim. A ênfase, porém, deve ser direcionada para a freqüência e intensidade cada vez maior com que ocorrem, à medida que nos aproximamos do fim.

Ellen White fala disso, ao descrever os resultados do Dilúvio: “Nesse tempo imensas florestas foram sepultadas. Estas foram depois transformadas em carvão, formando as extensas camadas carboníferas que hoje existem, e também fornecendo grande quantidade de óleo. O carvão e o óleo freqüentemente se acendem e queimam debaixo da superfície da Terra. Assim as rochas são aquecidas, queimada a pedra de cal, e derretido o minério de ferro. A ação da água sobre a cal aumenta a fúria do intenso calor, e determina os terremotos, vulcões e violentas erupções…. Estas assombrosas manifestações serão mais e mais freqüentes e terríveis precisamente antes da segunda vinda de Cristo e do fim do mundo, como sinais de sua imediata destruição.” – Patriarcas e Profetas, págs. 108 e 109.

A propósito do “grande terremoto” referido no Apocalipse, a interpretação adventista nos leva ao terremoto de Lisboa que, em 1º de novembro de 2005, completou 250 anos, com direito a comemoração sob o repicar de sinos em todas as igrejas católicas da capital portuguesa, Esse terremoto, que alcançou a intensidade de 8.5 pontos na escala Richter, atingiu mais de dez milhões de quilô-metros quadrados, estendendo-se ”pela maior parte da Europa, África e América do Norte Foi sentido na Groenlândia, nas índias Ocidentais, na Ilha da Madeira, na Noruega e Suécia, Grã-Bretanha e Irlanda! segundo descreve Ellen G. White. Em Lisboa, destruiu edifícios, causou um incêndio devastador e um tsunami, A perda de vidas é estimada em milhares de pessoas, muitas das quais voltavam de igrejas onde se comemorava o Dia de Todos os Santos.

O terremoto de Lisboa teve efeito duradouro nas áreas filosófica, cultural e científica, no século 18, segundo avaliação feita pelo Dr. Hans LaRondelle, celebrado teólogo adventista, “Os maiores fundamentos do pensamento e cultura ocidental foram profundamente abalados. A auto-suficiência da Era da Razão adquiriu uma flacidez permanente depois do terremoto de Lisboa.” Mas, ele não foi o que ceifou maior número de vidas.

De fato, antes de 1755, houve três terremotos mais assassinos que o de Lisboa; o de Nápoles, Itália, em 1456, dizimou 30 mil vidas. Em Shensu, China, um terremoto matou 820 mil pessoas, em 1556; e o terremoto de Calcutá, em 1737, ceifou 130 mil vidas. Depois de 1755, um tremor em Tóquio resultou em 200 mil mortos, em 1803. Em 1920, o abalo de Kansu deixou 180 mil mortos na China; e o terremoto de Kwanto, Japão, matou 140 mil pessoas, em 1923. Ainda na China, em 1976, outro terremoto causou a morte de 650 mil pessoas.

Diante disso, algumas pessoas, hoje, estão se perguntando: por que então identificar o terremoto de Lisboa com a profecia? O Dr William Shea, jubilado como diretor associado do Instituto de Pesquisa Bíblica da Associação Geral da Igreja Adventista, responde; “E preciso levar em conta osaspectos de geografia, seqüência e sincronismo. O foco bíblico é sobre o Oriente Próximo e a Europa. Os terremotos da China não aparecem na jurisdição geográfica da área de ação coberta pelo Apocalipse. Nenhum dos terremotos foi seguido por um dia escuro ou uma chuva de meteoros. A seqüência é específica: terremoto, escurecimento do Sol, queda de estrelas. O aspecto do sincronismo, que torna única essa seqüência de sinais cósmicos, tem que ver com o lugar no qual eles ocorrem no esquema profético da História,”

O escritor e também teólogo Mervyn Maxwell endossa o pensamento de Shea, ao explicar que “como uma série, eles [os sinais] vieram na ordem e no tempo apropriados. A série de sinais que teve lugar ‘logo em seguida à tribulação daqueles dias’ (Mat. 24:29) foi evidentemente cumprida”.

Na opinião do Dr José Carlos Ramos, coordenador de pós-graduação do Seminário Adventista Latino-americano de teologia, “outro ponto a ser considerado é o assustador aumento de terremotos devastadores, particularmente após 1755. Bem analisados, os males que sempre caracterizaram a vida de nosso planeta se acentuam nos dias finais O mesmo ocorre com os abalos sísmicos. A profecia prevê para o fim não somente grandes terremotos, mas fala deles como ocorrendo em muitos lugares (Mal. 24:7; 13:8). Há um sentido de intensificação aqui.

“Diferentes estações sísmológícas estabelecidas em pontos estratégicos ao redor do mundo, registram a ocorrência de um milhão de vibrações sísmicas por ano, entre as quais há, em média, um terremoto de grandes proporções, 18 abalos significativos e aproximadamente 120 tremores considerados fortes. A fragilidade do planeta continuará se intensificando até que o ponto culminante seja atingido por ocasião da sétima praga; aí ocorrerá o último e mais terrível terremoto como nunca houve igual desde que há gente sobre a Terra (Apo. 16:18). Será um terremoto suficientemente arrazador para quebrantar o mundo, abrir as sepulturas dos justos e introduzir a volta de Jesus”.
O desfecho



Vivemos no tempo do fim. E a intensificação de tragé-dias naturais indica que nos aproximamos rapidamente do fim do tempo. Ao apóstolo João foi dado o vislumbre de um “tempo determinado” no futuro, quando o “Senhor, Deus, Todo-poderoso” fará um acerto de contas com “os que destroem a Terra” (Apoc. 11:18). As tendências cada vez maiores de destruição do planeta evidenciam claramente que, em pouco tempo, o Senhor da História intervirá para fazer “novas todas as coisas” (Apoc. 21:5).

Nas palavras de Pedro, “virá, entretanto, como ladrão, o Dia do Senhor, no qual os céus passarão com estrepitoso estrondo, e os elementos se desfarão abrasados; também a Terra e as obras que nela existem serão atingidas. Visto que todas essas coisas hão de ser assim desfeitas, deveis ser tais como os que vivem em santo procedimento e piedade, esperando e apressando a vinda do Dia de Deus, por causa do qual os céus, incendiados, serão desfeitos, e os elementos abrasados se derreterão. Nós, porém, segundo a Sua promessa, esperamos novos céus e nova Terra, nos quais habita justiça (II Ped. 3:10-13).

Confiança é o sentimento com que devemos olhar o futuro. Perplexidade, temor e desespero devem ceder lugar à tranqüilidade, certeza e alegre expectativa, Foi o próprio Cristo quem aconselhou; “Ora, ao começarem estas coisas a suceder, exultai e erguei a vossa cabeça; porque a vossa redenção se aproxima (Luc. 21:28).

Artigo de Zinaldo A.Santos, editor da Revista Ministério, publiado na Revista Adventista de Feveriro/2006.



Calamidades naturais: atos de Deus ou de Satanás?

Publicado em 14/01/2011 por Blog Sétimo Dia

Por Herbert E. Douglass

Nos últimos anos, nosso planeta tem sofrido um crescente número de calamidades naturais – terremotos, furacões, secas, inundações e uma devastadora tsunami. Alguns desses acontecimentos como o aquecimento global e o correspondente derretimento de geleiras e calotas polares, também têm levantado em muitas mentes questões relacionadas às suas causas. São esses eventos o resultado de leis naturais ainda pouco entendidas? É sua causa real a exploração humana de nosso habitat natural? Pessoas de muitas correntes religiosas têm-se perguntado se essas catástrofes não seriam punições de uma divindade ofendida. Cristãos crentes na Bíblia têm indagado sobre o papel desempenhado por Deus e Satanás como os atores finais de um drama cósmico. Estariam essas calamidades apontando para um evento culminante na história humana?



Ao tentarmos compreender o papel de Deus nas calamidades naturais, devemos nos precaver contra a armadilha forjada por Satanás, no sentido de que os desastres dos últimos dias provêm de um Deus insultado e irado. É exatamente assim que Satanás tem pintado a Deus desde o Éden, e antes mesmo. Milhões de pessoas hoje, em nosso planeta, assim o crêem. Entretanto, de acordo com a Bíblia, estamos nas últimas horas do Conflito Cósmico, o Grande Conflito, que contaminou o Universo desde que “houve peleja no céu” (Apocalipse 12:7).*
Olhando a profecia bíblica



Lemos em Apocalipse que nos tempos finais da história, Deus estará, mediante Seus anjos, “retendo os quatro ventos da Terra para que nenhum vento soprasse sobre a Terra, nem sobre o mar, nem sobre árvore alguma” (Apocalipse 7:1). Isso soa mui ameaçador. Antes do fim dos tempos, nosso planeta será palco de todo o tipo de calamidade em terra, no mar e na vegetação. Mas ainda não vimos nada semelhante ao que acontecerá quando os ventos da destruição forem libertos das forças retentivas dos quatro anjos, que recebem ordens do próprio Senhor!1



Por que os ventos ainda estão sendo retidos? O povo de Deus, como um todo, ainda não recebeu o “selo” da aprovação de Deus “escrito em sua fronte” (Apocalipse 14:1).

O selo aprobatório de Deus será posto naqueles que possam representá-Lo corretamente perante o mundo; naqueles que dizem a verdade a Seu respeito e testemunham de Seu poder – exatamente em oposição ao secular desafio de Satanás. Essas são as pessoas que estão prontas a permanecer firmes através das conturbações dos últimos dias, conforme descrito nos versos finais de Apocalipse 6.

E o que dizer desses ventos? Eles representam as obras de Satanás, prestes a serem liberadas da mão restritiva de Deus. Tudo isso pode ser melhor entendido à luz do Conflito Cósmico. É uma repetição do exposto no livro de Jó, porém em escala mais colossal: fogo do céu queimando o gado e os servos de Jó, assaltantes perambulando e matando a esmo, um forte vento destruindo a casa e matando seus filhos (Ver Jó, capítulos 1 e 2). A maldade satânica é inacreditável! E é ainda hoje a mesma que nos dias de Jó.
O papel de Satanás





A premeditada estratégia de Satanás sempre tem sido confundir, enganar e destruir a paz deste mundo. Ele é “homicida desde o princípio” (João 8:44). Por quê? Para abalar a fé e a esperança de bilhões de pessoas na verdade de que um Ser mais poderoso, fiel e veraz dirige o Universo!

Mas onde está Deus? Deus, no âmbito dos propósitos do Grande Conflito, permite essa multiplicação do engano e do sofrimento abrangendo não apenas um homem chamado Jó, mas todo o planeta hoje. Tudo o que finalmente Jó soube que jazia por trás das catástrofes que ele e sua família sofreram – incluindo fogo do céu e ventos devastadores – foi-lhe contado depois pelo próprio Deus. Mas antes as coisas não estavam claras. Só depois Jó soube que Deus estava sendo desafiado por Satanás, o qual estava furioso por Jó ter sido tão abençoado com uma grande família e notável prosperidade. Ele acusou a Deus de discriminar as pessoas. A razão pela qual Jó era tão reto e obediente em sua adoração, era o fato de Deus ter construído “uma cerca” em torno dele, para suborná-lo à obediência (Jó 1:8-12, 2:3-7). Surgem, então, teólogos amadores para explicar a Jó porque ele tinha sido vítima dessas horríveis calamidades (Jó 2:11-13). Lemos nos capítulos seguintes do livro as várias razões que muitos hoje ainda usam para explicar as inesperadas calamidades. Ou Jó estava escondendo, no fundo, o segredo de seus procedimentos e Deus o estava punindo, ou Deus responde apenas ao justo e ignora aqueles que sofrem calamidades, porque Ele é um Deus justo, ou ainda, Deus é tão justo que somente pode derramar Sua ira sobre o pecado, e finalmente que Jó estava recebendo um castigo menor do que ele merecia.
Quantos ecos das vozes desses três “amigos” de Jó ouvimos hoje na Internet, em artigos de jornais e revistas, e em muitos púlpitos.


O apóstolo Paulo afirmou claramente que Satanás é “o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora atua nos filhos da desobediência” (Efésios 2:2).2 Ele é mais do que um mito! Ele é o grande opositor de Deus, fazendo tudo o que pode para aviltar, desmoralizar e destruir homens e mulheres. E por razões que só Deus conhece, Ele gradualmente retirará o poder restritivo que tem exercido sobre os planos assassinos de Satanás.3
A visão de Cristo sobre o futuro




Sem dúvida, nosso planeta sempre teve terremotos, tornados, enchentes, furacões, tufões e fomes. Alguns desses piores eventos registraram-se há muitos anos, com conseqüências muito mais danosas do que as que experimentamos em anos mais recentes, muito embora nessas mesmas áreas tenhamos hoje uma população bem maior.

Nos últimos dias do ministério de Jesus, Seus discípulos Lhe indagaram a respeito dos sinais do fim e de Seu prometido retorno. Dentre outros sinais, Jesus lhes falou: “Ouvireis falar de guerras e rumores de guerra; vede, não vos assusteis, porque é necessário assim acontecer, mas ainda não é o fim. Porquanto se levantará nação contra nação, reino contra reino, e haverá fomes e terremotos em vários lugares; porém tudo isso é o princípio das dores” (Mateus 24:6-8).

Em outras palavras, o mundo sempre terá guerras, terremotos, pestes e calamidades. Há, entretanto, sinais específicos que Cristo delineou nos capítulos 24 e 25 de Mateus, como a pregação do Evangelho a todo o mundo, e então Ele voltará (Mateus 24:14). Cristo comparou os últimos dias de nosso planeta aos últimos dias antes de Noé entrar na arca (Mateus 24:37-39). E comparou a demora em Sua vinda à demora do aparecimento da noiva nas bodas (Mateus 25:5).
Detectando a diferença



Ao refletimos sobre as calamidades dos últimos anos, notamos uma diferença com as do passado. Graficamente teríamos uma curva exponencial crescente indicando um aumento da freqüência e das intensidades, em destacado contraste com a previsão que resultaria de um crescimento linear.

Poderia alguém negar que furacões, enchentes, fomes, pestes, falências, degradação moral, esgotamento dos mananciais, escalada do consumo de energia e outros eventos reais também estejam aumentando com impressionante velocidade?4 A maioria das pessoas convive com o sentimento de que tudo está “fora dos eixos”, em comparação com a vida que tínhamos há poucas décadas. Parece não haver como retrocedermos no tempo. É como uma escada rolante que parece acelerar-se a cada dia. E todos sentem que não têm como saltar fora dela. Esse sentimento aumenta quando ouvimos a notícia da última catástrofe sendo divulgada pelos meios de comunicação globais, e chegando até nós.5
Uma perspectiva adventista



Durante mais de 150 anos, os adventistas do sétimo dia têm estado a proclamar ao mundo que a história da humanidade está inexoravelmente caminhando para o seu clímax, como predito pelo próprio Deus nas Escrituras. Ficamos contentes ao observar que milhões de cristãos também começaram a fixar sua atenção e esperança na breve volta de Jesus. Além disso, existem hoje dezenas de sites na Internet dedicados aos acontecimentos finais. A série de best-sellers “Deixados Para Trás” e os filmes correspondentes, ampliam em muito o senso de que algo surpreendente está para acontecer.

Entretanto, com base em nossa compreensão da profecia bíblica, não cremos que os cristãos serão arrebatados secretamente, ou que Israel é uma peça-chave nos acontecimentos dos últimos dias. Nem divisamos o Armagedon como uma batalha a ser travada pelos exércitos modernos na Planície de Esdraelon.

Os otimistas estão certos. O mundo não terminará em lamúrias ou numa estrepitosa explosão. As potências nucleares mundiais não incendiarão a Terra. Não seremos afogados ou asfixiados em nosso próprio lixo, nem envolvidos numa mortandade em massa.

E os pessimistas também estão certos. Este mundo poderá conseguir logo todas as vacinas necessárias para atender a todos os desafios sanitários que enfrentamos hoje, mas não haverá vacina contra a avassaladora tsunami do lixo moral que permeia a vida moderna, especialmente no “esclarecido” mundo ocidental. Todos os dispositivos de posicionamento global (GPS) e veículos modernos não conseguirão atingir e eliminar o crescente ódio que grassa entre as comunidades e entre as nações.
Conclusão



Está além da capacidade do homem compreender a interação exata dos fatores humanos naturais e sobrenaturais, causadores das crescentes calamidades experimentadas pelo nosso planeta. Para o que crê na Bíblia, entretanto, algumas coisas são certas: Satanás procura destruir tantas pessoas quantas puder, por qualquer meio que possa utilizar. No final, a verdade triunfará; Deus e Seus fiéis serão vindicados e Ele fará novas todas as coisas. Vivemos nos últimos dias da história da terra. Cada dia é precioso e não se repetirá. “Não retarda o Senhor a sua promessa, como alguns a julgam demorada; pelo contrário, Ele é longânimo para convosco, não querendo que nenhum pereça, senão que todos cheguem ao arrependimento. Virá, entretanto, como ladrão, o Dia do Senhor, no qual os céus passarão com estrepitoso estrondo, e os elementos se desfarão abrasados; também a terra e as obras que nela existem serão atingidas. Visto que todas essas coisas hão de ser assim desfeitas, deveis ser tais como os que vivem em santo procedimento e piedade, esperando e apressando a vinda do dia de Deus, por causa do qual os céus, incendiados, serão desfeitos, e os elementos abrasados se derreterão” (II Pedro 3:9-12).

Estamos nós prontos?

…………………………………………………………………………………………………..

Herbert G. Douglass (Ph.D. pela Pacific School of Theology) foi professor, diretor de faculdade e editor. Tem 16 livros de sua autoria, incluindo Mensageira do Senhor. (Pacific Press, 1998) e God at Risk (Amazing Facts, 2004). Seu e-mail é herbdouglass@sbcglobal.net
REFERÊNCIAS
(*) A não ser quando indicado o contrário, todas as citações bíblicas feitas no original em inglês deste artigo são da Nova Versão Internacional, e na tradução em Português são da 2º Edição da Tradução Revista e Atualizada de João Ferreira de Almeida.
1. O comentário de Ellen G. White é significativo: “Anjos estão circundando o mundo, rebatendo as alegações de Satanás quanto à sua supremacia, feitas por causa da imensa multidão de seus adeptos. Não ouvimos as vozes, nem vemos com a visão humana a obra desses anjos, porém suas mãos se entrelaçam ao redor do mundo, e em vigília constante retêm os exércitos de Satanás até que se cumpra o selamento do povo de Deus”. (Seventh Day Adventist Bible Commentary [Washington, D.C.: Review and Herald Publ. Assn., 1980], vol. 7, p. 967).
2. “Satanás está trabalhamdo na atmosfera; envenena-a, e aí dependemos de Deus quanto à vida —nossa vida presente e eterna. E estando na posição em que nos encontramos, importa estarmos inteiramente alerta, totalmente devotados, de todo convertidos e consagrados a Deus. Mas parece que nos achamos como paralisados. Deus do Céu, desperta-nos!” (Ellen G. White, Mensagens Escolhidas [São Paulo, Brasil: Casa Publicadora Brasileira, 1967], Vol.2, p. 51).
3. “Satanás também opera por meio dos elementos a fim de enceleirar sua messe de almas desprevenidas. Estudou os segredos dos laboratórios da Natureza, e emprega todo o seu poder para dirigir os elementos tanto quanto o permite Deus…[Satanás]trará moléstias e desgraças até que cidades populosas se reduzam à ruína e desolação. Mesmo agora está ele em atividade. Nos acidentes e calamidades no mar e em terra, nos grandes incêndios, nos violentos furacões e terríveis saraivadas, nas tempestades, inundações, ciclones, ressacas e terremotos, em toda parte e sob milhares de formas, Satanás está exercendo o seu poder. Destrói a seara que está a amadurar, e seguem-se fome, angústia. Comunica ao ar infecção mortal, e milhares perecem pela pestilência. Estas visitações devem tornar-se mais e mais freqüentes e desastrosas. A destruição será tanto sobre o homem como sobre os animais.” (Ellen G. White, O Grande Conflito [São Paulo, Brasil: Casa Publicadora Brasileira, 1988], pp. 589, 590).
4. “Foi-me mostrado que o Espírito do Senhor está-Se retirando da Terra. O poder mantenedor de Deus logo será recusado a todos os que continuam desrespeitando os Seus mandamentos… A iniqüidade está-se tornando uma coisa tão comum que não ofende mais as suscetibilidades como em tempos passados.” (Ellen G. White, Eventos Finais [São Paulo, Brasil: Casa Publicadora Brasileira, 2001[, p.25).
5. “Quando a mão protetora de Deus for retirada, o destruidor começará o seu trabalho.” (ibid., p. 111).
avatar
Eduardo

Mensagens : 5997
Idade : 47
Inscrição : 08/05/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

- Tópicos similares
Compartilhar este artigo em: BookmarksDiggRedditDel.icio.usGoogleLiveSlashdotNetscapeTechnoratiStumbleUponNewsvineFurlYahoo!Smarking

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum