Últimos assuntos
» Decreto dominical a caminho
Dom Fev 19, 2017 7:48 pm por Augusto

» Acordem adventistas...
Ter Fev 07, 2017 8:37 pm por Augusto

» O que Vestir Para Ir à Igreja?
Qui Dez 01, 2016 7:46 pm por Augusto

» Ir para o céu?
Qui Nov 17, 2016 7:40 pm por Augusto

» Chat do Forum
Sab Ago 27, 2016 10:51 pm por Edgardst

» TV Novo Tempo...
Qua Ago 24, 2016 8:40 pm por Augusto

» Lutas de MMA são usadas como estratégia por Igreja Evangélica para atrair mais fiéis
Dom Ago 21, 2016 10:12 am por Augusto

» Lew Wallace, autor do célebre livro «Ben-Hur», converteu-se quando o escrevia
Seg Ago 15, 2016 7:00 pm por Eduardo

» Ex-pastor evangélico é batizado no Pará
Qua Jul 27, 2016 10:00 am por Eduardo

» Citações de Ellen White sobre a Vida em Outros Planetas Não Caídos em Pecado
Ter Jul 26, 2016 9:29 pm por Eduardo

» Viagem ao Sobrenatural - Roger Morneau
Dom Jul 24, 2016 6:52 pm por Eduardo

» As aparições de Jesus após sua morte não poderiam ter sido alucinações?
Sab Jul 23, 2016 4:04 pm por Eduardo

SEU IP
IP

Deixe as Espadas fora da Mochila

Ir em baixo

30052011

Mensagem 

Deixe as Espadas fora da Mochila




Pesquisa inédita (ainda que não surpreendente!) constatou que os extrovertidos tendem a ser mais felizes. Ryan Howell, da Universidade Estadual de São Francisco (USA) entrevistou 754 pessoas para estabelecer o que o senso comum já afirmava: pessoas extrovertidas conseguem reter lembranças felizes, ao mesmo tempo que diminuem a importância de acontecimentos negativos. Assim, conforme a pesquisa, existe poderosa conexão entre extroversão e satisfação pessoal – ambas unidas por uma percepção positiva sobre o próprio passado.

A Bíblia também insiste em uma abertura para a espiritualidade, não como um bem em si mesmo. Somos incentivados a manter “o pensamento nas coisas do alto” (Cl 3:2, NVI) e andar como novas criaturas (2 Co 5:17). Qual a relação dessas promessas com a pesquisa de Howell? Os textos bíblicos estão intrinsecamente relacionados com o fardo do passado que machuca nossos ombros. O divórcio que não se curou. A vítima que você fez dirigindo bêbado. A expressão do seu filho quando você perdeu a paciência com ele. A falta de intimidade com os amigos dos quais você se esqueceu. O passado pode ser como uma mochila repleta de espadas: a medida em que se caminha com ela, sente-se as pontas perfurarem a mochila e atingir as costas de quem a leva.

A boa-nova é que o passado perde sua relevância diante de uma nova realidade inaugurada pelo perdão que flui da cruz. O foco deixa de ser “o que foi que fiz?” para “Deus fez tudo isso – e por mim?!”. Com isso, abre-se um futuro promissor: “[…] esquecendo-me das coisas que ficaram para trás e avançando para as que estão adiante, prossigo para o alvo, a fim de ganhar o prêmio do chamado celestial de Deus em Cristo Jesus.” (Fl 3:13-14, NVI). Se felicidade está ligado a um otimismo em relação ao passado, basta confiar na certeza de que o nosso passado foi perdoado e o futuro garantido no mesmo lugar: o Calvário!
avatar
Eduardo

Mensagens : 5997
Idade : 48
Inscrição : 08/05/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Compartilhar este artigo em: diggdeliciousredditstumbleuponslashdotyahoogooglelive

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum