Últimos assuntos
» Decreto dominical a caminho
Dom Fev 19, 2017 7:48 pm por Augusto

» Acordem adventistas...
Ter Fev 07, 2017 8:37 pm por Augusto

» O que Vestir Para Ir à Igreja?
Qui Dez 01, 2016 7:46 pm por Augusto

» Ir para o céu?
Qui Nov 17, 2016 7:40 pm por Augusto

» Chat do Forum
Sab Ago 27, 2016 10:51 pm por Edgardst

» TV Novo Tempo...
Qua Ago 24, 2016 8:40 pm por Augusto

» Lutas de MMA são usadas como estratégia por Igreja Evangélica para atrair mais fiéis
Dom Ago 21, 2016 10:12 am por Augusto

» Lew Wallace, autor do célebre livro «Ben-Hur», converteu-se quando o escrevia
Seg Ago 15, 2016 7:00 pm por Eduardo

» Ex-pastor evangélico é batizado no Pará
Qua Jul 27, 2016 10:00 am por Eduardo

» Citações de Ellen White sobre a Vida em Outros Planetas Não Caídos em Pecado
Ter Jul 26, 2016 9:29 pm por Eduardo

» Viagem ao Sobrenatural - Roger Morneau
Dom Jul 24, 2016 6:52 pm por Eduardo

» As aparições de Jesus após sua morte não poderiam ter sido alucinações?
Sab Jul 23, 2016 4:04 pm por Eduardo

SEU IP
IP

Daniel 1 - O campo que leva ao Céu

Ir em baixo

11062011

Mensagem 

Daniel 1 - O campo que leva ao Céu







Daniel 1 - O campo que leva ao Céu


Silvânia dos Santos Moreira tinha 23 anos quando se formou no curso de Filosofia e Ciências Exatas na cidade de Presidente Venceslau, SP, em 2007. Nesse período, ela lecionava para crianças numa área rural do município de Rosana, quase na divisa com o Mato Grosso do Sul, a 174 km de sua cidade. Durante a semana, levantava-se às 5h30 para tomar o ônibus que a levava ao local de trabalho. Às 16h30 tomava outro ônibus para a faculdade. Quando chegava em casa, eram sempre 2h da madrugada.

A despeito da rotina massacrante, Silvânia separava tempo para Deus e sabia que sua vida espiritual dependia desses momentos. Depois de ministrar as aulas do período da manhã, assim que os alunos iam embora, ela aproveitava o ambiente rural, com vista para um campo gramado que sumia no horizonte, se sentava e mantinha comunhão com o Criador. Lia a Bíblia e falava com seu Pai Celestial. Esses momentos a fortaleceram também para falar do amor de Deus aos outros.

Na faculdade, havia um professor ateu cuja inteligência e conhecimentos na área de exatas eram bem conhecidos. Certa ocasião, Silvânia e ele tiveram um diálogo em sala de aula. Ele afirmava não existirem comprovações da veracidade da Bíblia, mas Silvânia sentia que ele queria mesmo era testar a fé dela diante dos colegas; fazê-la vacilar ou se sentir intimidada. Silvânia não tinha apenas teoria religiosa na cabeça. Ela conhecia o Criador de quem falava e essa convicção, aliada a orações e à paciência cativaram a amizade do professor. Antes de se formar, ela o presenteou com um livro sobre as profecias de Daniel. O professor prometeu que iria lê-lo, em consideração à aluna a quem aprendera a respeitar.

“Por mais difícil e trabalhoso que seja o ambiente em que estejamos, o que realmente importa são as nossas escolhas de fidelidade para com Deus”, afirma a jovem.

Há cerca de 2.600 anos, um jovem teve que ser fiel em circunstâncias muito difíceis. Seu nome era Daniel. Soldados liderados pelo rei babilônico Nabucodonosor invadiram Jerusalém e arrancaram filhos e filhas dos braços dos pais. Os mais inteligentes e bonitos foram raptados. Enquanto transpunha os 1.500 km que separam Jerusalém de Babilônia, quantos pensamentos devem ter passado pela mente do jovem hebreu: O que o esperava na capital pagã? Será que voltaria a ver a família algum dia? O que o rei pagão faria com todos aqueles jovens presos?

Assim que chegaram à cidade, os cativos hebreus passaram por um processo de aculturação. O plano do rei era mudar a mente e o caráter dos israelitas, e ele começou sua estratégia trocando o nome deles. Daniel significa “Deus é meu juiz”. Seu novo nome passou a ser Beltessazar, ou seja, “[o deus] Bel proteja a sua vida”. Outros três jovens cativos se chamavam Hananias (“o Senhor demonstra a Sua graça”), Misael (“quem é como Deus?”) e Azarias (“o Senhor ajuda”). Foram rebatizados, respectivamente, de Sadraque (algo como “sob o comando de Aku” [o deus-lua], Mesaque (“quem é como Aku?”) e Abede-Nego (“servo [do deus] Nabu”).

O rei bem que tentou, mas o coração e a mente daqueles jovens já tinham Dono. O negócio era intensificar o processo de “transmutação mental”. Os garotos foram matriculados na “Universidade Federal de Babilônia”. Ali aprenderam a língua, os costumes, a ciência e a religião dos caldeus. Receberam o diploma. Mas o caráter permaneceu intacto. Eles haviam decidido assim muito tempo antes.

Outra prova difícil (desta vez gastronômica) está registrada no verso 8 do capítulo 1 do livro de Daniel: “Mas Daniel propôs no coração não se contaminar com a porção do manjar do rei, nem com o vinho que ele bebia.” Seria uma honra poder se alimentar com as mesmas finas iguarias consumidas pelo monarca, mas Daniel e seus amigos não estavam preocupados com honras humanas e privilégios passageiros. Estavam, antes, preocupados em manter a mente limpa para terem discernimento intelectual e espiritual num mundo que queria sufocá-los. Conforme escreveu Ellen White, “jamais podereis conseguir um bom caráter só com o desejá-lo. Isto só poderá ser obtido mediante labor” (Mensagens aos Jovens, p. 348).

Essa fibra e força de vontade dos três hebreus realmente surpreendem, porque, do ponto de vista humano, o que eles tinham a ganhar em se manterem fiéis à sua religião? Aparentemente, Deus os havia abandonado à própria sorte. Não havia ninguém da “igreja” para condená-los, caso cedessem à pressão. Nem mesmo os pais estavam ali para observá-los. Mas eles sabiam que viviam à vista de um Deus santo e que “todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus” (Rm 8:28), mesmo as coisas ruins para as quais não temos respostas enquanto as estamos experimentando. Qual o segredo da força dos quatro amigos? Isso ficará mais evidente no próximo capítulo. Mas, por hora, é preciso deixar claro que “[Daniel] foi brilhante exemplo daquilo que os homens podem chegar a ser quando unidos com o Deus da sabedoria” (Santificação, p. 19).

Quando o chefe dos eunucos manifestou preocupação com a negativa dos hebreus de comer os “mac-lanches” babilônios, Daniel fez uma proposta movido por santa ousadia: que lhes fosse permitido comer legumes e beber água por dez dias. Desafio aceito. No fim daquele período, os quatro israelitas estavam plenamente saudáveis e foram considerados dez vezes mais inteligentes que os demais sábios do reino.

Quando Deus nos pede que abramos mão de certas coisas, é porque sabe o que é melhor para nós. Ele criou nosso corpo e sabe que alimentos e hábitos lhe fazem bem. Ele criou nossos sentimentos e sabe que relacionamentos nos serão benéficos e edificantes. Ele criou nossa mente e sabe que entretenimentos poderão moldá-la para o bem. Por trás de cada negativa divina (não coma isso, não vá àquele lugar, não namore essa pessoa...) existe uma bênção. Existe proteção. Existe um futuro seguro.

De certa forma, somos cativos neste mundo de pecado. Além das tragédias a que estamos sujeitos deste lado da eternidade, o inimigo exerce todo o seu poder na tentativa sutil de distorcer nosso caráter cristão. Usa a internet, a televisão, a música, relacionamentos, professores, livros e revistas para destruir os fundamentos de nossa fé. Se não estivermos construindo sobre a Rocha (Jesus), certamente seremos arrastados com a avalanche de mundanismo, licenciosidade e descrença que destrói o planeta.

Daniel provou o gosto amargo da perda e da separação. Assim como Silvânia, que teve que viver uma rotina difícil, estressante, que apontava na direção contrária do Céu. Mas ele escolheu ser fiel. Sentava-se em frente ao “campo”, orava e lia as Escrituras. Como veremos adiante, fortalecido por esse relacionamento íntimo com o Criador, Daniel foi capaz de testemunhar num ambiente hostil e tocar a vida do maior monarca de sua época.

Não importa o problema pelo qual você esteja passando ou a rotina acachapante em que esteja vivendo, manter comunhão com o Pai é a coisa mais importante; deve ser o principal compromisso em sua agenda. Sua vida eterna depende disso – e deve começar ali mesmo, em frente ao “campo”.

(Michelson Borges, jornalista e mestre em teologia)

Pense e discuta:

1. De que maneiras a sociedade secular tenta mudar nosso caráter hoje?

2. Leia Romanos 12:2 e responda: De que maneiras podemos evitar que o “mundo” nos “molde” aos seus costumes e mentalidade?

3. Por que a temperança (vida equilibrada e saudável) é tão importante para a vida espiritual?

4. Leia e depois discuta sobre o seguinte texto de Ellen White: “Existe uma íntima relação entre a natureza física e a moral [...] Hábitos errôneos no comer e beber conduzem a erros no pensar e agir” (Santificação, p. 27).

5. O que você entende por “construir sobre a Rocha”? De que maneiras práticas podemos fazer isso?

Clique aqui para fazer o download deste tema em forma de palestra em PowerPoint.
avatar
Eduardo

Mensagens : 5997
Idade : 48
Inscrição : 08/05/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

- Tópicos similares
Compartilhar este artigo em: diggdeliciousredditstumbleuponslashdotyahoogooglelive

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum