Últimos assuntos
» Decreto dominical a caminho
Dom Fev 19, 2017 7:48 pm por Augusto

» Acordem adventistas...
Ter Fev 07, 2017 8:37 pm por Augusto

» O que Vestir Para Ir à Igreja?
Qui Dez 01, 2016 7:46 pm por Augusto

» Ir para o céu?
Qui Nov 17, 2016 7:40 pm por Augusto

» Chat do Forum
Sab Ago 27, 2016 10:51 pm por Edgardst

» TV Novo Tempo...
Qua Ago 24, 2016 8:40 pm por Augusto

» Lutas de MMA são usadas como estratégia por Igreja Evangélica para atrair mais fiéis
Dom Ago 21, 2016 10:12 am por Augusto

» Lew Wallace, autor do célebre livro «Ben-Hur», converteu-se quando o escrevia
Seg Ago 15, 2016 7:00 pm por Eduardo

» Ex-pastor evangélico é batizado no Pará
Qua Jul 27, 2016 10:00 am por Eduardo

» Citações de Ellen White sobre a Vida em Outros Planetas Não Caídos em Pecado
Ter Jul 26, 2016 9:29 pm por Eduardo

» Viagem ao Sobrenatural - Roger Morneau
Dom Jul 24, 2016 6:52 pm por Eduardo

» As aparições de Jesus após sua morte não poderiam ter sido alucinações?
Sab Jul 23, 2016 4:04 pm por Eduardo

Palavras chave

bíblia  jonas  criação  arca  alma  jesus  dilúvio  

SEU IP
IP

Por que tanta atenção ao conflito palestino-israelense?

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Por que tanta atenção ao conflito palestino-israelense?

Mensagem por Carlstadt em Ter Mar 23, 2010 10:32 pm

A mídia e a insistência em Gaza e Cisjordânia



POR QUE TANTA ATENÇÃO AO CONFLITO PALESTINO-ISRAELENSE?

Um valioso levantamento, publicado no site Open Democracy, mostra que o conflito entre israelenses e palestinos recebe atenção desproporcional da mídia em relação a outros confrontos, muito mais sangrentos e devastadores, sobretudo na África.
O texto, de Noah Bernstein, começa com um exemplo eloquente. Em dois dias de dezembro de 2008, o Exército de Resistência do Senhor (cristão fundamentalista) matou e mutilou 200 civis congoleses. O grupo “estuprou mulheres e meninas, quebrou o pescoço de bebês e cortou lábios e orelhas daqueles que não matou”. Nos mesmos dois dias, o cessar-fogo entre Israel e Hamas estava por um fio. De acordo com o World Press Tracker, que mensura a cobertura da imprensa mundial sobre conflitos e emergência humanitárias, as 48 horas do impasse israelo-palestino foram noticiadas 40 vezes; já o massacre no Congo não foi sequer mencionado. Nas três semanas seguintes, a invasão israelense de Gaza deixou 926 palestinos e três israelenses mortos, notícia reportada 2.896 vezes pela mídia. Enquanto isso, no mesmo período, o Exército de Resistência do Senhor matou 865 civis e seqüestrou 160 crianças – e esses acontecimentos apareceram apenas 20 vezes na imprensa.
“O fascínio da mídia ocidental com o conflito israelo-palestino ofusca a morte e a opressão em outras partes do mundo. Gilad Shalit (soldado israelense seqüestrado pelo Hamas) e os foguetes Qassam são familiares para muita gente; a morte de 5,9 milhões de pessoas na Segunda Guerra do Congo não”, escreve Bernstein, que constata: muitos questionam a cobertura enviesada no Oriente Médio, ora a favor de israelenses, ora a favor de palestinos, mas pouca gente critica a primazia dada ao conflito no Oriente Médio na cobertura jornalística das guerras.


Congo: 3,9 milhões de mortos e um número de refugiados ainda desconhecido, entre 1998 e 2003!

Os argumentos para justificar a atenção excessiva dada ao Oriente Médio variam. O primeiro deles é que o Ocidente se considera moralmente responsável pelo que acontece na região, já que ajudou a fundar um país para abrigar uma minoria perseguida (os judeus) e acabou criando outra minoria perseguida (os palestinos). Mas, como explica Bernstein, a questão da Caxemira, problema igualmente “criado” pela ONU, na descolonização de Índia e Paquistão, matou dez vezes mais gente que o conflito israelo-palestino e merece atenção muito menor. O mesmo se dá com disputas territoriais na África significativamente mais sangrentas, também como resultado do desmonte do mundo colonial ocidental, e que não freqüentam os jornais.
Outro argumento usado é o tamanho do sofrimento dos palestinos, que teria caráter excepcional e é geralmente qualificado de “genocídio” pelos críticos do Ocidente. Mas uma olhada no mapa da África e da Ásia mostra uma situação desesperadora de milhões de refugiados que, no entanto, mal aparecem no noticiário. Como mostra Bernstein, só o conflito no Sri Lanka matou 50 vezes mais civis que o israelo-palestino desde 1980; no já citado Congo, o número é 5.000 vezes maior. Além disso, a qualidade de vida dos palestinos é bem melhor do que a média desses outros povos oprimidos – a expectativa de vida é de 73,3 anos, o índice de alfabetizados chega a 93,8%, e a desnutrição infantil atinge apenas 3%, números melhores que os do Brasil e que estão no nível dos países que têm “alto desenvolvimento humano” em medição da ONU. Nada disso parece traduzir um “genocídio”.
A justiça da luta nacional palestina, após quatro décadas de ocupação israelense, é outro ponto que ajuda a catapultar o Oriente Médio às manchetes. No entanto, o mundo está cheio de lutas nacionais, ignoradas ou negligenciadas pela mídia. Há os casos óbvios do Tibete, com mais de 1 milhão de mortos desde 1959, e o da Tchetchênia, com 60 mil civis mortos desde 1994, que só aparecem de vez em quando no noticiário. E há casos absurdos como o do Saara Ocidental, ex-colônia espanhola invadida pelo Marrocos, cujo Exército reprime o movimento independentista local. Há até um muro de separação, tal como na Cisjordânia. No entanto, o Saara Ocidental apareceu três vezes na mídia ocidental ao longo de 2009, e isso porque havia um ativista em greve de fome num aeroporto.
A intensidade da atenção dada ao que ocorre no Oriente Médio tem efeitos perversos – e o principal deles é que tanto Israel quanto os palestinos recebem ajuda desproporcional às suas necessidades e mesmo em relação ao resto do mundo. Em 2006, mostra Bernstein, 12% de toda a ajuda externa dos EUA foi para Israel. Isso equivale à ajuda americana dada a todo o continente africano, fora o Egito. Já os refugiados palestinos receberam da ONU (vale dizer, dos EUA, seu principal financiador) US$ 72 per capita, enquanto refugiados do resto do mundo receberam US$ 53 per capita. E há uma agravante: os palestinos são o único grupo de refugiados do mundo a ter uma agência da ONU só para eles, a UNRWA, coisa difícil de justificar. Por outro lado, fica fácil saber por que certos líderes palestinos e israelenses não querem que o conflito acabe: ele dá dinheiro.


Conflito entre paquistaneses e indianos, na Caxemira: 10 vezes mais mortos do que o conflito palestino-israelense.

Para Bernstein, a explicação mais evidente de toda essa distorção é o escopo do conflito israelo-palestino: ao contrário do que dão a entender os discursos e a retórica inflamada, a importância que se dá à crise do Oriente Médio tem a ver muito menos com questões humanitárias e muito mais com ideologia e geopolítica. Diferentemente das guerras na Ásia ou na África, uma eventual guerra no Oriente Médio tem o potencial de escalar para uma conflagração mundial. O mais importante, porém, é que se trata da materialização do confronto do “imperialismo ocidental” contra os “atrasados e opressores árabes”, dependendo de onde se olha. E isso faz a delícia da mídia e de seus consumidores.Fonte: Marcos Guterman (Estadão)

NOTA: Note-se que, à parte de qualquer justificativa acerca de "milícias cristãs" no Congo, a questão daquela que é considerada a pior guerra centro-africana desde a 2ª Guerra Mundial, é muito mais étno-política do que religiosa, como pode a reportagem transparecer. Há outras regiões, africanas ou não, em que a questão religiosa é preponderante, como o conflito na Caxemira (entre paquistaneses e indianos). Contudo, também não é bom reduzir ou destacar em demasia o papel da religião nestes conflitos que, todos sabem, circundam muito mais em fatores geo-sócio-econômicos e ideológicos do que necessariamente religiosos. A grande questão aqui, contudo, é a atenção em demasia que se dá ao conflito árabe-israelense, em detrimento de outros, muito maiores, que acontecem ao redor do planeta. As respostas aos "porquês" talvez ajudem mais o conflito em si, do que os muitos "mediadores da paz" enviados à região, alguns completamente inóspitos e notoriamente incompetentes para o caso, como o presidente Lula.

Em Cristo Jesus,
Pr. Artur Eduardo


"Conforme aquele caminho que chamam SEITA, assim sirvo
ao Deus de nossos pais, crendo tudo quanto esta escrito na LEI
e nos PROFETAS"
(Atos 24:14 ) - Paulo, o apostolo dos gentios
avatar
Carlstadt
Administrador
Administrador

Mensagens : 1031
Idade : 41
Inscrição : 19/04/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Por que tanta atenção ao conflito palestino-israelense?

Mensagem por Diego em Qua Mar 31, 2010 12:41 pm

Shalom Irmãos....

Sem desrespeitar o autor do estudo, mas me pareceu de longe um anti-semitismo declarado (posso estar errado).

Porém a falta de desarmonização do contexto geral das Escrituras e a falta de similação dos fatos atuais, com esse contexto surge comentários deste nível.

Porque falo asperamente ?

Simples.
Porque o que ocorre no oriente médio, mas explicitamente sobre Ysrael, está intimamente ligado com profecias Biblícas e o decorrer dos fatos apontam para o fim previsto por YHWY.
Acredito que a tão "maior" preocupação dos colunistas em relatar os fatos tal quando ocorrem, parte em primeiro lugar no coração de D-us afim de alertar seu povo daquilo que já está escrito.
Digo por conhecimento de fato, que muita das coisas importantes que lá ocorrem e que demonstram ainda mais a veracidade das profecias, ficam maquiadas e ainda escondidas, ou seja, a mídia sensacionalista só reporta o que lhe convém e como lhe apraz.

Muitos Cristãos não percebem que a própria criação do Estado de Ysrael é uma profecia (isaias 66:7-8, Ez 37/38) e que tudo que gira em torno do Ysrael físico e do Ysrael espiritual está intimamente ligado com essas profecias, que apontam para o retorno de Yeshua. Portanto é bom para todos que creem que se mantenham ligados nos eventos, pois assim orientou HaMashiach para que não sejamos pegues de surpresa.
avatar
Diego

Mensagens : 27
Idade : 34
Inscrição : 11/03/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum