Últimos assuntos
» Decreto dominical a caminho
Dom Fev 19, 2017 7:48 pm por Augusto

» Acordem adventistas...
Ter Fev 07, 2017 8:37 pm por Augusto

» O que Vestir Para Ir à Igreja?
Qui Dez 01, 2016 7:46 pm por Augusto

» Ir para o céu?
Qui Nov 17, 2016 7:40 pm por Augusto

» Chat do Forum
Sab Ago 27, 2016 10:51 pm por Edgardst

» TV Novo Tempo...
Qua Ago 24, 2016 8:40 pm por Augusto

» Lutas de MMA são usadas como estratégia por Igreja Evangélica para atrair mais fiéis
Dom Ago 21, 2016 10:12 am por Augusto

» Lew Wallace, autor do célebre livro «Ben-Hur», converteu-se quando o escrevia
Seg Ago 15, 2016 7:00 pm por Eduardo

» Ex-pastor evangélico é batizado no Pará
Qua Jul 27, 2016 10:00 am por Eduardo

» Citações de Ellen White sobre a Vida em Outros Planetas Não Caídos em Pecado
Ter Jul 26, 2016 9:29 pm por Eduardo

» Viagem ao Sobrenatural - Roger Morneau
Dom Jul 24, 2016 6:52 pm por Eduardo

» As aparições de Jesus após sua morte não poderiam ter sido alucinações?
Sab Jul 23, 2016 4:04 pm por Eduardo

Palavras chave

jesus  jonas  bíblia  criação  dilúvio  alma  arca  

SEU IP
IP

«Sinais inquietantes» exigem diálogo pela paz

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

«Sinais inquietantes» exigem diálogo pela paz

Mensagem por Eduardo em Ter Nov 01, 2011 9:14 pm



Lisboa, 25 out 2011 (Ecclesia) - Guilherme d’Oliveira Martins, presidente do Centro Nacional de Cultura, considera que o encontro inter-religioso pela paz que o Papa convocou para quinta-feira, em Assis (Itália), pode ajudar a responder a “sinais inquietantes”, “desde a violência à crise financeira”.

“O tema da paz mantém a sua atualidade e tornou-se porventura ainda mais premente. E o diálogo entre as culturas e as religiões é uma das chaves para superarmos a grave situação internacional em que vivemos”, escreve, em texto hoje publicado pelo semanário Agência ECCLESIA.

Por iniciativa do atual Papa, a cidade de Assis, terra natal de São Francisco (1182-1226), vai acolher um novo encontro mundial de líderes religiosos “pela justiça e a paz”, à imagem do que fez João Paulo II em 1986.

“Bento XVI, quando renovar o gesto de há vinte e cinco anos nestes dias de outubro de 2011, procurará, assim, dar passos concretos de entendimento e diálogo, lembrando que a responsabilidade das pessoas, políticos e cidadãos, de boa vontade, à luz da esperança cristã e ecuménica, deve ter consequência na história humana”, assinala Guilherme d’Oliveira Martins.

Frei Isidro Pereira Lamelas, da Ordem dos Frades Menores (Franciscanos), fala no “Espírito de Assis”, sublinhando que o mesmo “poderá ter até outros nomes, mas não muitas alternativas”.

“Não existe um caminho para o diálogo: o caminho é o diálogo; assim como não há uma via para a paz: a via é a própria paz”, aponta o religioso.

Isabel Bento, da Comunidade de Santo Egídio (Igreja Católica), sublinha o facto de, neste encontro, haver espaço para “os não crentes” junto de representantes das “grandes religiões mundiais”.

“Para os crentes, este é quase um diálogo mais difícil do que aquele entre as diferentes religiões, e colocá-lo no mesmo patamar, mostra a maturidade da ‘vida adulta’ do diálogo”

O Vaticano anunciou a presença de 17 delegações das Igrejas cristãs do Oriente - incluindo o Patriarca Bartolomeu I de Constantinopla (Igreja Ortodoxa) -, 13 Igrejas ocidentais – com a presença do primaz anglicano, arcebispo Rowan Willams -, uma representação do Grão Rabinato de Israel (judaísmo), 48 muçulmanos e mais de outros 120 representantes de diversas tradições religiosas, para além de quatro professores europeus “que se professam como não crentes”.

Frei Vítor Melícias, responsável máximo pela Ordem dos Frades Menores em Portugal, refere à ECCLESIA que a ocasião vai ser marcada por “diversas iniciativas”, destacando a presença no dia 27, na Mesquita de Lisboa, para levar “um abraço da fraternidade” aos “irmãos muçulmanos”.

“É absolutamente necessário [celebrar o encontro de Assis] porque é uma das mensagens proféticas do grande Papa João Paulo II. Ele entendeu aquilo de que o mundo precisa: que os povos dialoguem, se abracem, se entreajudem no respeito pelas legítimas diferenças de religião, de cultura”, acrescenta.
Para o religioso franciscano Agostino Sposito, da Itália, o “ato profético” de João Paulo II continua a revestir-se de “grande atualidade”, para que os líderes religiosos possam “encontrar em conjunto a estrada para a verdade, que é o caminho para a paz”.

Os países representados em Assis vão ser mais de 50, entre os quais Egito, Paquistão, Jordânia, Irão, Arábia Saudita e outros que, segundo o Vaticano, “são talvez dos que mais sofrem neste momento histórico por causa dos problemas da liberdade religiosa”.

Fonte - Ecclesia

Nota DDP: O esforço é cada vez mais claro no sentido de que a reunião das religiões seja utilizada como meio de controlar crises cada vez mais constantes em uma sociedade ímpia. Ver ainda "Bispos da UE debatem crise financeira" e "Rede de Peregrinação Verde" (via @MinutoProfetico)

«Sinais inquietantes» exigem diálogo pela paz
avatar
Eduardo

Mensagens : 5997
Idade : 47
Inscrição : 08/05/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum