Últimos assuntos
» Decreto dominical a caminho
Dom Fev 19, 2017 7:48 pm por Augusto

» Acordem adventistas...
Ter Fev 07, 2017 8:37 pm por Augusto

» O que Vestir Para Ir à Igreja?
Qui Dez 01, 2016 7:46 pm por Augusto

» Ir para o céu?
Qui Nov 17, 2016 7:40 pm por Augusto

» Chat do Forum
Sab Ago 27, 2016 10:51 pm por Edgardst

» TV Novo Tempo...
Qua Ago 24, 2016 8:40 pm por Augusto

» Lutas de MMA são usadas como estratégia por Igreja Evangélica para atrair mais fiéis
Dom Ago 21, 2016 10:12 am por Augusto

» Lew Wallace, autor do célebre livro «Ben-Hur», converteu-se quando o escrevia
Seg Ago 15, 2016 7:00 pm por Eduardo

» Ex-pastor evangélico é batizado no Pará
Qua Jul 27, 2016 10:00 am por Eduardo

» Citações de Ellen White sobre a Vida em Outros Planetas Não Caídos em Pecado
Ter Jul 26, 2016 9:29 pm por Eduardo

» Viagem ao Sobrenatural - Roger Morneau
Dom Jul 24, 2016 6:52 pm por Eduardo

» As aparições de Jesus após sua morte não poderiam ter sido alucinações?
Sab Jul 23, 2016 4:04 pm por Eduardo

Palavras chave

arca  criação  jesus  alma  jonas  miguel  Judas  bíblia  dilúvio  

SEU IP
IP

Os movimentos de Roma

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Os movimentos de Roma

Mensagem por Eduardo em Dom Nov 20, 2011 11:16 am




A cada dia que passa cresce a convicção de que a crise que atualmente atinge o mundo, em particular a Europa, não é apenas um momento isolado que logo passará como simplesmente mais um capítulo da História. Não devo ser o único que começa a discernir que podemos estar no limiar de algo grande, no âmbito do desfecho final deste mundo.

Não, não irei raciocinar no sentido de vincular rigorosamente os devaneios económico-financeiros que desde há alguns anos nos afligem a um qualquer cenário profético específico; mas, creio que podemos encontrar enorme cabimento para que esta peça seencaixe no contexto global desse processo que conduzirá, em última instância, às cenas finais da Terra.

Ainda no final da semana passada, o presidente do Conselho Europeu, Herman van Rompuy foi recebido num audiência oficial pelo Papa Bento XVI. Nada de anormal, tendo em vista que, formalmente, o líder católico também é um chefe de estado. Contudo, é de salientar quesem receio de qualquer eventual acusação de intromissão em assuntos de estados soberanos, a Igreja romana está cada vez mais ativa no apresentar de uma proposta de solução para a dita crise, e é vista com bons olhos pelos mais destacados líderes.

Por isso, o discurso que se tem intensificado desde Roma aponta quase sempre aquestões de ordem política, económica, financeira e social, e não tanto religiosa.

Tranquilamente, e sem deixar marcas indesejáveis, o Vaticano tem vindo a forçar a sua influência junto das mais altas esferas de governação, quer no âmbito nacional e europeu. Está gradualmente a revestir-se de um prestígio que, inquestionavelmente, escapa cada vez mais aos "tradicionais" governantes, tão céleres nos discursos mas ainda maisinconsequentes nas respostas eficazes aos problemas das pessoas.

Aquilo que não tenho dúvida alguma em afirmar é o seguinte: à medida que os problemas se agravam (veja-se os casos da Grécia e da Espanha), as populações irão voltar os seus olhospara quem, desde há muito, profere uma proposta no sentido da justiça social, da igualdade de oportunidades, de melhores condições de vida, especialmente para os mais carenciados, etc. - proposta esta, diga-se, com a qual todos poderemos estar de acordo.

Contudo, e à semelhança de qualquer iniciativa proveniente de um campo político, falta estabelecer-se, pelo menos de forma concreta, quais as contrapartidas exigidas, o que Roma requirirá em troca, ou, no mínimo, aquilo que será apresentado como o método ou mecanismo necessários que garantam a concretização do objetivo pretendido.

Para os mais atentos, basta perceber o que esconde o proclamado propósito ético e moralque Roma tem invocado como fundamental: o retorno a uma prática cristã católica romana, com o devido respeito por toda uma série de normas e princípios que não necessariamente se identifiquem como cristãos, mas que, sem dúvida, encontrarão total acolhimento debaixo da designação católico romanos.

Perceba o que, realmente, se passa nos bastidores do que, de forma visível, está perante os nosso olhos:
"Mas o catolicismo, como sistema não se acha hoje em harmonia com o evangelho de Cristo mais do que em qualquer época passada de sua história. As igrejas protestantes estão em grandes trevas, pois do contrário discerniriam os sinais dos tempos. São de grande alcance os planos e modos de operar da Igreja de Roma. Emprega todo expediente para estender a influência e aumentar o poderio, preparando-se para um conflito feroz e decidido a fim de readquirir o domínio do mundo, restabelecer a perseguição e desfazer tudo que o protestantismo fez. O catolicismo está a ganhar terreno de todos os lados." (Ellen White, O Grande Conflito, p. 566)

"A influência de Roma nos países que uma vez já lhe reconheceram o domínio, está ainda longe de ser destruída. E a profecia prevê uma restauração de seu poder. "Vi uma de suas cabeças como ferida de morte, e a sua chaga mortal foi curada; e toda a Terra se maravilhou após a besta." Apoc. 13:3. A aplicação da chaga mortal indica a queda do papado em 1798. Depois disto, diz o profeta: "A sua chaga mortal foi curada; e toda a Terra se maravilhou após a besta."" (idem, p. 579)
Assim, é fácil percebermos o objetivo final de todos os movimentos oriundos do Vaticano. E, é certo, isso será cada vez mais frequente e evidente.

Fonte - O Tempo Final

Os movimentos de Roma


"Conforme aquele caminho que chamam SEITA, assim sirvo ao Deus de nossos pais, crendo tudo quanto está escrito na LEI e nos PROFETAS" (Atos 24:14 ) - Paulo, o apostolo dos gentios
avatar
Eduardo

Mensagens : 5997
Idade : 47
Inscrição : 08/05/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum