Últimos assuntos
» Decreto dominical a caminho
Dom Fev 19, 2017 7:48 pm por Augusto

» Acordem adventistas...
Ter Fev 07, 2017 8:37 pm por Augusto

» O que Vestir Para Ir à Igreja?
Qui Dez 01, 2016 7:46 pm por Augusto

» Ir para o céu?
Qui Nov 17, 2016 7:40 pm por Augusto

» Chat do Forum
Sab Ago 27, 2016 10:51 pm por Edgardst

» TV Novo Tempo...
Qua Ago 24, 2016 8:40 pm por Augusto

» Lutas de MMA são usadas como estratégia por Igreja Evangélica para atrair mais fiéis
Dom Ago 21, 2016 10:12 am por Augusto

» Lew Wallace, autor do célebre livro «Ben-Hur», converteu-se quando o escrevia
Seg Ago 15, 2016 7:00 pm por Eduardo

» Ex-pastor evangélico é batizado no Pará
Qua Jul 27, 2016 10:00 am por Eduardo

» Citações de Ellen White sobre a Vida em Outros Planetas Não Caídos em Pecado
Ter Jul 26, 2016 9:29 pm por Eduardo

» Viagem ao Sobrenatural - Roger Morneau
Dom Jul 24, 2016 6:52 pm por Eduardo

» As aparições de Jesus após sua morte não poderiam ter sido alucinações?
Sab Jul 23, 2016 4:04 pm por Eduardo

Palavras chave

dilúvio  jonas  bíblia  alma  jesus  criação  arca  

SEU IP
IP

Ecumenismo: Unindo as Igrejas

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Ecumenismo: Unindo as Igrejas

Mensagem por Carlstadt em Sab Abr 10, 2010 3:15 pm

Ecumenismo: Unindo as Igrejas




Por Clifford Goldstein

Em uma fervorosa oração e em agonia na cruz, Jesus pediu ao Pai a unidade entre os membros da igreja a ser fundada após sua morte. “Eu não rogo somente por estes,” Ele disse, “mas também por aqueles que hão de crer em mim pela sua palavra, para que todos sejam um, como tu, Pai, estás em mim e eu em ti, que eles também estejam em nós”(João 17:20-21 NVI).

Apesar da oração fervorosa, mesmo o olhar mais superficial sobre a história revela que dentre os adjetivos usados para descrever a igreja, “unidos” não seria um deles. Embora, pelo menos ainda não estejam matando uns aos outros, como foi frequentemente o caso no passado, os cristãos estão longe de ser o corpo unificado pelo qual Jesus orou. A lista das centenas de denominações, testemunha quão fragmentada a igreja cristã permanece quase dois mil anos depois da oração de Jesus.

Ao longo das últimas décadas, porém, algumas tendências poderosas surgiram no cristianismo buscando reverter essas fraturas para fazer com que a oração de Jesus pela unidade torne-se real. Conhecido como “movimento ecumênico”, essas tentativas vieram de vários quadrantes e já se reuniu com diferentes níveis de sucesso. Talvez de todos os movimentos em direção à unidade, nenhum foi mais dramático, e surpreendente, que o que está acontecendo entre os católicos romanos e protestantes determinados, incluindo luteranos. Católicos e luteranos assinaram algumas declarações bastante surpreendentes da unidade professada, algo que mesmo 30 anos atrás teria sido considerado quase impossível.

O que está a fazer uma dessas tendências? Se nem todos os cristãos estão avidamente envolvidos neste impulso para a unidade, para ajudar a cumprir a oração do seu próprio Senhor? Poderiam esses movimentos, especialmente entre católicos e protestantes, na verdade, ser a resposta à oração de Cristo? Ou, pelo contrário, algo mais poderia estar acontecendo que devem fazer os cristãos um pouco desconfiados? Como devemos ver estes eventos?

Os Primeiros Dias

É difícil para as pessoas de hoje compreender a animosidade que envenenava as relações entre católicos e protestantes, desde o início da Reforma, no início de 1500. O vitríolo e retórica dos protestantes contra os católicos, e vice-versa, era o tipo de conversa que as pessoas hoje esperam entre as nações em guerra, e não entre os cristãos professos.

A conversa, porém, não era nada em contraste com a violência, como na execução de Dr. John Hooper, na Inglaterra (1555), que foi queimado na fogueira. O Livro dos Mártires de Fox descreveu seu últimos momentos no fogo: “Mas quando tinha a boca escurecida e sua língua estava tão inchada que não podia falar, catacumba se moveram seus lábios até ficarem encolhidos sobre as gengivas, e se batia no peito com suas mãos até que um de seus braços se desprendeu, e depois continuou batendo com a outra,mas enquanto saia gordura, sangue e água dos extremos dos dedos; finalmente, ao renovar-se o fogo, desapareceram suas energias, e sua mão ficou fixa após bater na corrente sobre seu peito. Depois, inclinando-se para a frente, entregou seu espírito. (pág. 215). Esta atrocidade foi feita, lembrem-se, por cristãos professos para outros cristãos professos.

Naturalmente, não era apenas protestantes versus católicos. Como as igrejas reformadas romperam com Roma, fragmentaram-se em várias seitas e denominações que se encontravam em conflito umas com as outras. Numa altura em que a idéia de liberdade religiosa estava ainda a séculos de distância, estas divisões se tornaram violentas, muitas vezes, como quando o reformador suíço Ulrich Zwingli, chateado com os anabatistas por instarem pela imersão total no batismo de adultos ( ao invés da regra de aspersão infantil), os levou para um lago e os afogou. Novamente isso era violência cristã, contra cristãos.

Eventualmente, os ideais de liberdade e tolerância religiosa começaram a se firmar na psique ocidental, e os cristãos aprenderam a conviver uns com os outros, apesar das clivagens teológicas. Esse fato, juntamente com o surgimento de democracias laicas, que tomaram o poder político da igreja (e, consequentemente, sua capacidade de perseguir), criou um novo ambiente no qual os cristãos se encontravam lado a lado uns com os outros, mesmo que não estivessem cumprindo exatamente as palavras de Cristo: “Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros” (João 13:35, KJV).
Movimentos Ecumênicos

Sem dúvida, muitos ficaram horrorizados com essas divisões, e as tentativas bem-intencionadas pela unidade começaram. Estes primeiros esforços iniciados em 1800, com grupos como a Aliança Evangélica (1846), Associação Cristã de Moços (1844), Associação das jovens Cristãs (1884), Christian Endeavor Society (1881), bem como o Conselho Federal das Igrejas de Cristo (1908).

Este “movimento ecumênico”, como logo foi chamado, floresceu no século XX com o Conselho Mundial de Igrejas (CMI), fundado em 1948 com cerca de 147 igrejas de 44 países. Hoje, o “CMI é uma comunhão de igrejas, agora mais de 347 em 120 países em todos os continentes e de praticamente todas as tradições cristãs” (www.wcc-coe.org/wcc).

Talvez, a tendência mais interessante no movimento ecumênico teve lugar nos últimos 20 anos. A princípio, a maioria das tentativas de unidade estavam entre as várias denominações protestantes. Poucas delas contemplaram qualquer discussão séria com o seu inimigo tradicional, a Igreja Católica Romana, que considera os protestantes como apóstatas. Tudo o que temos agora muito mudou, e houve uma enxurrada de discussões ecumênicas e diálogo entre Roma e outros órgãos protestantes. Isto levou a uma encíclica do papa João Paulo II, Ut Unum Sint (1995), na qual ele reafirmou o compromisso da Igreja Católica Romana para o ecumenismo, afirmando que “em conjunto com todos os discípulos de Cristo, a Igreja Católica baseia-se sobre o plano de Deus e seu compromisso ecumênico de reunir todos os cristãos na unidade. “

Surpreendentemente, as declarações oficiais da unidade doutrinária, foram assinadas entre católicos e alguns líderes protestantes conservadores (aqueles historicamente mais hostis a Roma) em 1990. O que fez estas declarações é tão inesperado que eles reivindicaram um terreno comum entre católicos e protestantes sobretudo a justificação pela fé, o ensino que primeiro deu origem à Reforma Protestante quase 500 anos antes. Agora, surpreendentemente, esses grupos estão reivindicando a unidade sobre a mesma coisa que os dividiu!

De todos os movimentos em direção à unidade doutrinária entre católicos e protestantes, a mais dramática foi a “Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação”, assinada em 1999 por dignitários do Vaticano e da Federação Luterana Mundial (que representa 58 milhões dos 61,5 milhões de luteranos do mundo). A declaração afirma que, apesar das “diferenças remanescentes”, católicos e luteranos possuem a mesma visão fundamental da justificação pela fé, e que “as diferenças existentes na sua explicação não são mais uma ocasião para condenações doutrinais.” E esse documento foi apenas um precursor de um novo, agora na “apostolicidade da Igreja” (entenda-se, a autoridade do papa).

Assim, ao que parece, na superfície, a oração de Jesus pela unidade, que “também eles sejam um em nós” está, finalmente, a ser cumprida.

Preocupações

Certamente todas as pessoas devem se alegrar quando animosidades antigas, que muitas vezes foram feias, violentas, são postas de lado e os inimigos se reconciliam. Ao mesmo tempo, no entanto, é preciso também ser cuidadoso.

Por quê?

A história mostra que as igrejas com poder político se provaram tão susceptíveis de perseguirem e oprimirem os dissidentes assim como os secularistas quando tiveram esse mesmo poder. Em certo sentido, a desunião da igreja ajudou a impedi-la de ganhar o tipo de força política que se revelou ruinoso em suas mãos no passado.

Mais de dois séculos atrás, James Madison escreveu: “A liberdade decorre da multiplicidade de seitas, que permeia a América e que é a melhor e a única garantia para a liberdade religiosa em qualquer sociedade. Porque onde há uma tal variedade de seitas, não pode haver uma maioria de uma qualquer seita para oprimir e perseguir as restantes” (citado em Ralph Ketcham, James Madison: A Biography, p. 166). Poderia as igrejas de hoje, uma vez que estejam unidas, acumular suficiente poder político para se tornar uma ameaça de novo?

Isso não é um medo sem razão. O livro do Apocalipse adverte sobre justamente essa ameaça: um enorme poder religioso-político que trará a perseguição e a morte para aqueles que se recusarem a “adorar a imagem da besta” (Apocalipse 13:15, KJV). Embora exista muita especulação sobre o que exatamente signifique tudo isso, o fato da “adoração” desempenhar um papel central na luta prova que este poder no fim dos tempos, é claramente uma entidade religiosa, e que as questões de fé, adoração e obediência a Deus estarão envolvidas.

De fato, alguns estudantes do Apocalipse, mais de um século atrás, previram o tipo de movimento em direção à unidade, principalmente entre protestantes e católicos, que estamos vendo hoje. Assim, eles vêem essas tendências, não como sinais da oração de Cristo pela unidade a ser respondida, mas, pelo contrário, como sinais de eventos de desdobramento final, eventos que levarão à perseguição dos fiéis de Deus antes da segunda vinda de Jesus.

Assim, todos os cristãos, sem dúvida, querem que a oração de Cristo pela unidade seja cumprida em seus dias. Seria sensato portanto, atentar também para algumas outras palavras de Cristo, enquanto eles vêem essas várias tendências ecumênicas se desdobrarem: “Eis que eu vos envio como ovelhas para o meio de lobos; sede, portanto, prudentes como as serpentes e símplices como as pombas” (Mateus 10:16).

Fonte - Sétimo Dia


"Conforme aquele caminho que chamam SEITA, assim sirvo
ao Deus de nossos pais, crendo tudo quanto esta escrito na LEI
e nos PROFETAS"
(Atos 24:14 ) - Paulo, o apostolo dos gentios
avatar
Carlstadt
Administrador
Administrador

Mensagens : 1031
Idade : 41
Inscrição : 19/04/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum