Últimos assuntos
» Decreto dominical a caminho
Dom Fev 19, 2017 7:48 pm por Augusto

» Acordem adventistas...
Ter Fev 07, 2017 8:37 pm por Augusto

» O que Vestir Para Ir à Igreja?
Qui Dez 01, 2016 7:46 pm por Augusto

» Ir para o céu?
Qui Nov 17, 2016 7:40 pm por Augusto

» Chat do Forum
Sab Ago 27, 2016 10:51 pm por Edgardst

» TV Novo Tempo...
Qua Ago 24, 2016 8:40 pm por Augusto

» Lutas de MMA são usadas como estratégia por Igreja Evangélica para atrair mais fiéis
Dom Ago 21, 2016 10:12 am por Augusto

» Lew Wallace, autor do célebre livro «Ben-Hur», converteu-se quando o escrevia
Seg Ago 15, 2016 7:00 pm por Eduardo

» Ex-pastor evangélico é batizado no Pará
Qua Jul 27, 2016 10:00 am por Eduardo

» Citações de Ellen White sobre a Vida em Outros Planetas Não Caídos em Pecado
Ter Jul 26, 2016 9:29 pm por Eduardo

» Viagem ao Sobrenatural - Roger Morneau
Dom Jul 24, 2016 6:52 pm por Eduardo

» As aparições de Jesus após sua morte não poderiam ter sido alucinações?
Sab Jul 23, 2016 4:04 pm por Eduardo

SEU IP
IP

Alexandre e os Judeus

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

08062012

Mensagem 

Alexandre e os Judeus




Estrelados por astros de primeira grandeza, dois filmes sobre Alexandre o Grande parecem estar a pleno vapor... O que não será mostrado são as fascinantes interações que Alexandre teve com o povo judeu e o complexo relacionamento que se desenvolveu entre os gregos e os judeus e que prepararam o cenário para a história de Chanucá.

O Cenário Histórico
Alexandre, nascido em 356 AEC, era filho de Filipe II (382-336 AEC), Rei da Macedônia no norte da Grécia (e considerado um bárbaro pelas cidades-estado ao sul da Grécia). Filipe criou um exército poderoso, profissional, que uniu à força as cidades-estado gregas fracionadas em um só império.

Desde a mais tenra idade, Alexandre mostrou possuir um enorme talento militar, e foi designado como comandante do exército de seu pai aos 18 anos, Tendo conquistado toda a Grécia, Felipe estava para iniciar uma campanha para invadir o arquiinimigo da Grécia, o Império Persa. Antes que pudesse invadir a Pérsia, Filipe foi assassinado, possivelmente por Alexandre, que então se tornou rei em 336 AEC. Dois anos depois, em 334 AEC, ele cruzou o Helesponto (atualmente, Turquia) com 45.000 homens e invadiu o Império Persa.

Em três batalhas colossais – Granicus, Issus e Gaugamela – que ocorreram entre 334 e 331, Alexandre liderou brilhantemente (e com freqüência imprudentemente) seu exército até a vitória contra os exércitos persas que superavam os seus na proporção de dez para um. Em 331 AEC, o Império Persa estava derrotado, o Imperador Dario estava morto, e Alexandre era inquestionavelmente o Imperador do Mediterrâneo. Sua campanha militar durou 12 anos e levou-o, e ao seu exército, a 15 mil quilômetros de distância, até o Rio Indo, na Índia.

Somente a exaustão de seus homens e a morte precoce de Alexandre aos 32 anos pôs fim à conquista grega do mundo conhecido. Diz-se que quando Alexandre contemplava seu império, chorava porque não havia mais nada a conquistar. Seu vasto domínio não sobreviveu à sua morte, mas fragmentou-se em três grandes blocos centralizados na Grécia, Egito e Síria, controlados por seus antigos generais.

Quando estava no auge, o império de Alexandre ia do Egito até a Índia. Ele construiu seis cidades gregas, todas chamadas Alexandria. (Somente a Alexandria do Egito sobrevive até hoje). Estas cidades, e os gregos que se estabeleceram nelas, levaram a cultura grega ao centro das antigas civilizações da Mesopotâmia.

Os gregos não foram apenas imperialistas militares, mas também culturais. Os soldados e os colonizadores gregos levaram seu estilo de vida – idioma, arte, arquitetura, literatura e filosofia – ao Oriente Médio. Quando a cultura grega se fundiu com a do Oriente médio, criou um híbrido cultural – o Helenismo (Hélade é a palavra grega para Grécia) – cujo impacto seria muito maior e duraria muito mais tempo que o breve período do império de Alexandre. Seja através da batalha campal, arte, arquitetura ou filosofia, a influência do Helenismo sobre o Império Romano, Cristianismo e o Ocidente foi monumental. Porém é a interação entre os judeus e os gregos e o impacto do Helenismo sobre o Judaísmo que queremos examinar mais de perto.

Desvio para Israel
Durante sua campanha militar contra a Pérsia, Alexandre fez um desvio para o sul, conquistando Tiro e depois o Egito, passando pelo local que hoje é Israel. Há uma história fascinante sobre o primeiro encontro de Alexandre com os judeus de Israel, que eram súditos do Império Persa.

A narrativa sobre o primeiro encontro de Alexandre com os judeus está registrada tanto no Talmud (Yoma 69a) quanto no Livro da Antiguidade do historiador judeu Josephus (XI, 321-47). Em ambas as narrativas o Sumo Sacerdote do Templo em Jerusalém, temendo que Alexandre destruísse a cidade, saiu para encontrá-lo antes que ele chegasse à cidade. A narrativa descreve como Alexandre, ao avistar o Sumo Sacerdote, desmontou e inclinou-se perante ele. (Alexandre raramente se curvava para alguém). Na narrativa de Josephus, quando seu general Parmerio lhe pediu para explicar sua atitude, Alexandre respondeu: “Eu não me inclinei perante ele, mas perante aquele D’us que o honrou com o Sumo Sacerdócio; pois eu vi esta mesma pessoa num sonho, com esta mesma roupa.”

Alexandre interpretou a visão do Sumo Sacerdote como um bom presságio e assim, poupou Jerusalém, absorvendo pacificamente a Terra de Israel em eu crescente império. Como um tributo à sua conquista benigna, os Sábios decretaram que o primeiro recém-nascido judeu daquela época receberia o nome de Alexandre – que até hoje permanece sendo um nome judaico. E a data do encontro entre eles, 25 de Tevet, foi declarada um feriado de menor importância.

Judeus e gregos
Assim começou o relacionamento mais complexo e interessante do mundo antigo. Os gregos jamais tinham conhecido um povo como os judeus, e os judeus jamais tinham visto alguém como os gregos. A interação inicial pareceu ser bastante positiva. Para os judeus, os gregos eram uma cultura exótica e nova do Ocidente.

Tinham uma profunda tradição intelectual que produzira filósofos como Sócrates, Platão e Aristóteles (que foi tutor de Alexandre durante dois anos). Seu amor pela sabedoria, ciência, arte e arquitetura os destacava de outras culturas que os judeus conheciam, O idioma grego era considerado tão belo que o Talmud por vezes o chamou de mais bonita de todas as linguagens e os Rabinos decretaram até que um Rolo da Torá fosse escrito em grego.

Os gregos jamais tinham conhecido alguém como os judeus – a única nação monoteísta do mundo, com um conceito ímpar de um D’us bom e infinito que cuida da criação e intervêm na História. Os judeus tinham tradições filosóficas e legais profundas e complexas. Tinham taxas de alfabetização e infra-estrutura de bem-estar social incomparável no mundo antigo. Os gregos ficaram tão fascinados com os judeus que se tornaram o primeiro povo a traduzir a Bíblia em outro idioma quando o Rei Ptolomeu II (cerca de 250 AEC) forçou 70 Rabinos a traduzirem a Bíblia Hebraica em grego (conhecida como Septuaginta, que significa “70” em grego).

Dois impérios gregos surgiram no Oriente Médio depois da morte de Alexandre: os Ptolomeus no Egito e os Selêucidas na Síria. A Terra de Israel era a fronteira entre estes dois impérios em guerra. Inicialmente, os judeus estavam sob o controle dos Ptolomeus, mas depois da Batalha de Panias em 198 AEC, Israel viu-se sob o domínio dos Selêucidas e seu rei, Antiochus.

Enquanto grande parte da camada superior da sociedade judaica, juntamente com o restante da população do mundo Mediterrâneo, tivesse prontamente abraçado a cultura helenista (alguns a ponto de denunciar sua identidade judaica), a grande maioria dos judeus permaneceu fiel ao Judaísmo. Esta “rejeição” ao estilo de vida helenista era visto com grande hostilidade por muitos gregos e considerada uma forma de rebelião. As exóticas diferenças que tinham servido certa vez como fonte de atração entre as duas culturas agora criara a faísca para uma guerra cultural.

Para tornar as coisas piores, Israel era a fronteira entre estes dois impérios gregos, e os judeus, que se recusavam a assimilar, eram vistos como uma população desleal numa parte estrategicamente vital do Império Selêucida.

Seria um equívoco enxergar o conflito como puramente gregos versus judeus. A tensão interna na comunidade judaica contribui muito para o conflito. Grande parte dos judeus helenizados tomaram sobre si a tarefa de “ajudarem” seus irmãos mais tradicionais, “arrastando-os” daquilo que consideravam como crenças primitivas para o mundo “moderno” da cultura grega. (Este padrão tem se repetido muitas vezes na história judaica – na Rússia do século 19 e na Alemanha, para citar apenas alguns exemplos.) Para ajudá-los em seus esforços, estes judeus helenizados pediram a ajuda de seus aliados gregos, chegando a aliciar o próprio rei, Antiochus IV Epifanes, ao conflito.

Na metade do século, Antiochus emitiu um decreto inédito até então naquele mundo antigo multicultural e tolerante no sentido religioso: Ele proibiu a religião de outros povos. Baniu o ensinamento e prática do Judaísmo. O Livro dos Macabeus (provavelmente escrito por um cronista judeu no início do Primeiro Século AEC) assim o descreve:

“Não muito depois disso, o rei enviou um senador ateniense para obrigar os judeus a abandonarem as leis de seus antepassados e deixarem de viver pelas leis de D’us, e também a profanarem o Templo em Jerusalém e chamá-lo de Templo do Zeus Olímpico.” (Macabeus II 6:1-2).

Brutais perseguições gregas aos judeus desencadearam a primeira guerra religiosa/ideológica da História – a revolta dos Macabeus. O levante foi liderado pela família sacerdotal de Matitiyáhu e seus cinco filhos, dos quais o mais conhecido era Judah. Contra todas as expectativas, o exército de guerrilha dos Macabeus derrotou os exércitos gregos, muito maiores, mais bem equipados e profissionais. Após três anos de lutas, Jerusalém foi libertada. O Templo, que tinha sido profanado, foi purificado e rededicado a D’us. Foi durante este período que ocorreu o milagre de Chanucá. Uma pequena ânfora de azeite usada pelo Sumo Sacerdote para acender a Menorá no Templo, que teria sido suficiente para apenas um dia, ardeu milagrosamente por oito dias.

O conflito se arrastou por diversos anos ainda, custando a vida de muitos judeus, incluindo Judah Macabeu e vários de seus irmãos, Por fim, os gregos foram derrotados e o Judaísmo sobreviveu.

Alguns argumentam que um milagre ainda maior que o do azeite foi a vitória militar dos judeus sobre o Império Grego. Porém a luz de Chanucá é o símbolo da verdadeira vitória – a sobrevivência da luz espiritual do Judaísmo. A milagrosa sobrevivência do Judaísmo permitiu que os judeus tivessem um impacto muito maior sobre o mundo que o tamanho minúsculo do povo judeu, dando ao mundo o conceito de um único D’us e os valores da santidade da vida, justiça, paz e responsabilidade social, que são os alicerces morais e espirituais da civilização ocidental.Rabi Ken Shapiro é originário de New Rochelle, NY. Diplomou-se no Vassar College com BA em Russo e Literatura, e fez estudos de pós-graduação no Instituto Pushkin em Moscou. Teve sua ordenação rabínica na Yeshivá Aish HaTorah em Jerusalém, e Mestrado em História no Vermont College da Universidade Norwich. Rabi Spiro é também guia de turismo licenciado pelo Ministério do Turismo de Israel. Mora em Jerusalém com a esposa e cinco filhos, onde trabalha como palestrante e pesquisador no programa de divulgaç∫ao da Aish HaTorah.


"Conforme aquele caminho que chamam SEITA, assim sirvo ao Deus de nossos pais, crendo tudo quanto está escrito na LEI e nos PROFETAS" (Atos 24:14 ) - Paulo, o apostolo dos gentios
avatar
Eduardo

Mensagens : 5997
Idade : 47
Inscrição : 08/05/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

- Tópicos similares
Compartilhar este artigo em: diggdeliciousredditstumbleuponslashdotyahoogooglelive

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum