Últimos assuntos
» Decreto dominical a caminho
Dom Fev 19, 2017 7:48 pm por Augusto

» Acordem adventistas...
Ter Fev 07, 2017 8:37 pm por Augusto

» O que Vestir Para Ir à Igreja?
Qui Dez 01, 2016 7:46 pm por Augusto

» Ir para o céu?
Qui Nov 17, 2016 7:40 pm por Augusto

» Chat do Forum
Sab Ago 27, 2016 10:51 pm por Edgardst

» TV Novo Tempo...
Qua Ago 24, 2016 8:40 pm por Augusto

» Lutas de MMA são usadas como estratégia por Igreja Evangélica para atrair mais fiéis
Dom Ago 21, 2016 10:12 am por Augusto

» Lew Wallace, autor do célebre livro «Ben-Hur», converteu-se quando o escrevia
Seg Ago 15, 2016 7:00 pm por Eduardo

» Ex-pastor evangélico é batizado no Pará
Qua Jul 27, 2016 10:00 am por Eduardo

» Citações de Ellen White sobre a Vida em Outros Planetas Não Caídos em Pecado
Ter Jul 26, 2016 9:29 pm por Eduardo

» Viagem ao Sobrenatural - Roger Morneau
Dom Jul 24, 2016 6:52 pm por Eduardo

» As aparições de Jesus após sua morte não poderiam ter sido alucinações?
Sab Jul 23, 2016 4:04 pm por Eduardo

Palavras chave

arca  alma  bíblia  virgens  jesus  parabola  criação  dilúvio  jonas  

SEU IP
IP

As Doutrinas Adventistas foram inventadas por Ellen White?

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

16022013

Mensagem 

As Doutrinas Adventistas foram inventadas por Ellen White?




1. A Guarda do sábado

A Guarda do sábado não veio das idéias de Ellen White. Mas de um membro da Igreja Batista do Sétimo dia, chamada Raquel Oakes. Por volta de 1844 ela mostrou os 10 mandamentos (Êxodo 20) e validade do sábado para uma igreja de Washington, New Hampshire. Vários membros começaram a guardar o sábado. O Ministro da Igreja Batista dominical Thomas Preble publicou um artigo defendendo o sábado no jornal Midnight Cry. Em março de 1845 ele publicou um panfleto de 12 páginas chamado “Tratado mostrando que o sétimo dia deve ser observado como o sábado, em vez do primeiro dia: segundo o mandamento”. José Bates leu o folheto e se convenceu do sábado em abril de 1845. José Bates escreveu o estudo: ”O Sábado do Sétimo dia: Um Sinal Perpétuo”. O casal Tiago White e Ellen White leram o folheto e começaram a defender a guarda do sábado em agosto de 1846. José Bates entrou em contato com a doutrina do santuário de Crosier, Edson e Hahn e em 1847 fez a ligação da guarda do sábado com o santuário e a arca da aliança que existem no Céu (Apoc. 11:19) dando sentido a grande parte da teologia adventista.

Portanto, A Igreja Batista do Sétimo Dia, defensora da guarda do sábado desde o século XVII foi a luz para os primeiros adventistas e não Ellen White.

2. A Doutrina do Santuário Celestial, Juízo Pré Advento ou Juízo Investigativo dos mortos e depois dos vivos.

O Movimento do batista Miller interpretou Daniel 8:14: “Até 2300 tardes e manhãs e o santuário será purificado” da seguinte maneira: como a Terra seria purificada por fogo no juízo final, a purificação do santuário significava a volta de Jesus no final de 2300 anos. Esse período acabaria na primavera de 1844. Quando nada ocorreu foi marcado a data de 22/10/1844.

Quando ocorreu o desapontamento da primavera Josias Litch escreveu: “Não foi provado que a purificação do santuário seja a vinda de Cristo ou a purificação da Terra”. Após o desapontamento do Outono, Joseph Marsh, Apollos Hale e Joseph Turner escreveram que a vinda do Filho do Homem, na cena do juízo de Daniel 7 indicava alguma mudança de função ou trabalho de Cristo no Céu. No dia seguinte ao desapontamento de 22/10/1844, o metodista Hiram Edson, estava indo visitar seus companheiros de crença e achar um significado do desapontamento do dia anterior quando “parou no meio do caminho e percebeu claramente que Jesus estaria entrando no segundo compartimento do santuário celeste em 1844″. Hiram Edson, Crosier e F.B. Hahn estudaram a bíblia e publicaram sobre o assunto no começo de 1845 na revista Day Dawn.

Em 7 de fevereiro de 1846, Crosier publicou praticamente a doutrina do santuário inteira na revista Day-Star chegando a conclusão de que existe um santuário no Céu, no qual o santuário de Moisés era mera cópia (Hebreus 8, Apoca 11:19), a primeira fase do trabalho de Cristo no santuário tratava do perdão e a segunda fase envolve a purificação do santuário e de cada crente com o cancelamento dos pecados na análise dos livros celestiais.

Portanto a doutrina do santuário celestial foi primeiramente ensinada por Hiram Edson, Crosier e F.B. Hahn, não sendo criação de Ellen White.

3. A Mensagem do Terceiro Anjo sobre a Marca da Besta

Como foi dito anteriormente, em 1845 José Bates escreveu o estudo: ”O Sábado do Sétimo dia: Um Sinal Perpétuo”. Em 7 de fevereiro de 1846, Crosier publicou a doutrina do santuário na revista Day-Star. Então José Bates juntou tudo e em 1847 publicou uma extensão dos estudos no folheto ‘O Sábado do Sétimo Dia”. Ele fez a ligação da guarda do sábado com o santuário e a arca da aliança que existem no Céu (Apoc. 11:19) conforme a doutrina do santuário. Enquanto Apocalipse 14:12 diz que os santos guardam os mandamentos de Deus, Apocalipse 14:9-11 fala de uma marca da Besta. Então ele chegou a conclusão de que um dos mandamentos de Deus seria a prova final: “A restauração do sábado do sétimo dia provará toda alma vivente”. Em Janeiro de 1849 ele publicou o estudo O SELO DE DEUS, estando já formada a doutrina da mensagem dos 3 anjos.

4. A Imortalidade Condicional

A doutrina da mortalidade dos maus, ou mortalidade da alma, ou imortalidade condicional foi defendida por George Storrs em 1841 no panfleto: “São as almas imortais?”. Em 1842 ele publicou uma versão ampliada. Como todos achavam que o fim chegaria em 1844 poucos prestaram atenção. Mas mesmo assim, em janeiro de 1844 o pastor Charles Fitch aceitou a verdade sobre o estado dos mortos. Então, após 1845 os estudos chegaram até José Bates, Tiago e Ellen White que passaram a defender o estudo inicial de Storrs. Em 1848, já era consenso entre os primeiros líderes adventistas.

5. Os Estados Unidos em Apocalipse 13:11-17.

Em janeiro de 1849 Bates publicou o folheto O SELO DE DEUS. Praticamente os adventistas já haviam chegado a conclusão de que haveria uma perseguição futura sobre a questão do sábado, a marca de Deus, contra o selo da besta: a guarda obrigatória do domingo. Em Março de 1850, Tiago White publicou na Revista Verdade Presente uma carta de George W. Holt. Essa carta fez uma raciocínio lógico: como a besta de Apocalipse 13:11-17 parece com um cordeiro, tem relação com o protestantismo e o republicanismo e sua oposição a verdade do sábado. Ainda em 1850 foi publicada outra carta, agora do pastor Hiram S. Case, de que a “imagem da besta” é uma cópia da primeira besta, ou seja, seria a união das igrejas protestantes com o estado.

No início de 1851, aos 22 anos, John N. Andrews escreveu um artigo intitulado “Reflexões sobre Apocalipse 13 e 14″ e chegou a conclusão de que os Estados Unidos são a fera de Apocalipse 13:11-17. Mas ele ainda não usa o nome do país. Ele diz: “Desta Nação”. Em 1854 a Revista adventista pela primeira vez usa o nome por extenso, ou seja, escreveu pela primeira vez “Estados Unidos”. Estava formada a espetacular doutrina adventista.

Ellen White condensou esses ensinos, juntamente com suas visões, no livro O Grande Conflito que teve sua primeira edição em 1884 e a definitiva em 1888. Portanto, ela não inventou essa doutrina.

As Origens dos Ensinos Adventistas: Será que as Doutrinas Adventistas foram inventadas por Ellen White?

Publicado em dezembro 12, 2012 por IASD


"Conforme aquele caminho que chamam SEITA, assim sirvo ao Deus de nossos pais, crendo tudo quanto está escrito na LEI e nos PROFETAS" (Atos 24:14 ) - Paulo, o apostolo dos gentios
avatar
Eduardo

Mensagens : 5997
Idade : 47
Inscrição : 08/05/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

- Tópicos similares
Compartilhar este artigo em: BookmarksDiggRedditDel.icio.usGoogleLiveSlashdotNetscapeTechnoratiStumbleUponNewsvineFurlYahoo!Smarking

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum