Últimos assuntos
» Decreto dominical a caminho
Dom Fev 19, 2017 7:48 pm por Augusto

» Acordem adventistas...
Ter Fev 07, 2017 8:37 pm por Augusto

» O que Vestir Para Ir à Igreja?
Qui Dez 01, 2016 7:46 pm por Augusto

» Ir para o céu?
Qui Nov 17, 2016 7:40 pm por Augusto

» Chat do Forum
Sab Ago 27, 2016 10:51 pm por Edgardst

» TV Novo Tempo...
Qua Ago 24, 2016 8:40 pm por Augusto

» Lutas de MMA são usadas como estratégia por Igreja Evangélica para atrair mais fiéis
Dom Ago 21, 2016 10:12 am por Augusto

» Lew Wallace, autor do célebre livro «Ben-Hur», converteu-se quando o escrevia
Seg Ago 15, 2016 7:00 pm por Eduardo

» Ex-pastor evangélico é batizado no Pará
Qua Jul 27, 2016 10:00 am por Eduardo

» Citações de Ellen White sobre a Vida em Outros Planetas Não Caídos em Pecado
Ter Jul 26, 2016 9:29 pm por Eduardo

» Viagem ao Sobrenatural - Roger Morneau
Dom Jul 24, 2016 6:52 pm por Eduardo

» As aparições de Jesus após sua morte não poderiam ter sido alucinações?
Sab Jul 23, 2016 4:04 pm por Eduardo

SEU IP
IP

O novo papa e o domingo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

29042013

Mensagem 

O novo papa e o domingo




O papa Francisco tem algumas palavras de apoio ao Lazer

Na terça-feira (30/04/2013) será publicado em inglês o livro “O Papa Francis: sua vida em suas próprias palavras,” [Pope Francis: His Life in His Own Words - Putnam; $ 24,95] que traz uma série de conversas com o homem que então era o cardeal Jorge Bergoglio. Essas entrevistas foram feitas a partir de 2010 com dois jornalistas na Argentina e trazem relatos bonitos sobre o novo chefe da igreja – um filme favorito? “Babette’s Feast” – mas não muito teologicamente interessante.

Mas uma passagem no livro, à primeira vista, bastante leve, acaba insinuando uma nota radical no processo. Em uma leitura atenta, parece que o papa Francisco acredita que devemos – na verdade, de que Deus está nos chamando para – relaxar.

Respondendo à pergunta: “Será que é preciso redescobrir o sentido do lazer?” Papa Francisco responde: “Junto com uma cultura de trabalho, deve haver uma cultura de lazer como gratificação. Dito de outra forma: as pessoas que trabalham devem tomar o tempo para relaxar, para estar com as suas famílias, para se divertir, ler, ouvir música, jogar um esporte. Mas isso está sendo destruído, em grande parte, pela eliminação do dia de descanso do sabbath. Mais e mais pessoas estão trabalhando nos domingos, como conseqüência da competitividade imposta por uma sociedade de consumo. “Nesses casos, ele conclui,”o trabalho acaba desumanizando as pessoas. “

Algumas páginas depois, ele ridiculariza as pessoas que pensam em si mesmos como católicas, mas não tem tempo para seus filhos. Este é um exemplo, de acordo com o papa Francisco, de viver “uma fraude.”

A Doutrina Social da Igreja é conhecida por promover a ideia de que os trabalhadores merecem dignidade, que inclui o repouso. Mas o papa Francis parece estar dizendo algo mais: que uma vida autenticamente cristã inclui uma dose adequada de lazer e tempo para a família. Isso pode soar estranho vindo de um homem cuja tradição valoriza a solidão e o monaquismo, e cujo clero membros não estão autorizados a ter cônjuges ou filhos.

A ideia de um católico exaltando o sabbath soa particularmente peculiar no contexto americano. Nos Estados Unidos, os católicos nunca foram os grandes defensores do sabatismo, observando-se o domingo como um dia especial, para o culto ou descanso. Isso é uma coisa protestante.

A partir do momento em que os puritanos chegaram, eles começaram a fazer cumprir as leis que reservavam o domingo para ir à igreja. Com o tempo, elas foram chamadas de “leis azuis” e proibiam diferentes atividades, e variavam por estado. Algumas leis proibiam a caça no domingo, outros a venda de bebidas alcoólicas, outros de qualquer atividade comercial. Em cidades religiosas, as normas culturais de lazer, como esportes, eram tabu também. Como uma criança que está sendo criada em uma família pentecostal, John Ashcroft, o ex-procurador-geral, não foi autorizado a andar de bicicleta nos domingos.

Com o tempo, a justificativa oficial para as leis mudaram, mas ainda eram os protestantes que as empurraram. “Na década de 1820, eles iriam dizer que este é um momento de fazer uma pausa para refletir sobre nossas obrigações religiosas a Deus”, disse David Sehat, um historiador da Universidade Estadual da Georgia. Mas por volta de 1870 “, eles começaram a usar a justificação do Papa Francisco: “a hora de passar o tempo com a família", para “a preservação da saúde e a promoção da boa moral”, usando a linguagem de um jurista.

E o movimento de temperança, que, naturalmente, apoiou leis contra a venda de bebidas alcoólicas no domingo, era protestante em caráter. Os ativistas muitas vezes representavam imigrantes católicos como bêbados.

Hoje, as leis estão desaparecendo, relíquias de um tempo em que a cultura protestante era mais dominante. Connecticut, por exemplo, finalmente decidiu permitir a venda de bebidas alcoólicas de domingo no ano passado. E nos Estados Unidos, o domingo perdeu seu caráter sagrado. A maioria dos cristãos vêem pouco conflito em ir à igreja pela manhã, em seguida, assistir a um jogo de futebol talvez com a família, ou ir em um bar de esportes – no período da tarde.

A tradição sabatista foi mantida, de uma forma séria, por alguns pequenos grupos de religiosos protestantes e, claro, por judeus observantes. E, é assim que acontece, entre aqueles que pensam em si mesmos como cristãos e judeus. Os “Judeus messiânicos”, que acreditam na divindade de Jesus, mas dão uma atenção especial às raízes judaicas do cristianismo, muitas vezes são muito ligados a observância do sábado.

Sarah Posner, uma escritora do site ReligionDispatches.org, lembrou sobre uma conferência de judeus messiânicos que ela participou no ano passado em Ellicott City, Maryland “Eles não estavam vendendo seus livros, CDs e DVDs no sábado, porque não querem trocar o dinheiro“, disse Posner. “Mas eles estavam usando eletricidade” – que os judeus tradicionais não usam.

Nosso país religiosamente diverso inclui aqueles que chamam o seu dia de descanso semanal de “um sábado secular.” Alguns grupos podem até não ter um conceito de sabatismo. No Islã, por exemplo, “há uma objeção teológica profunda para a ideia de que Deus descansou no sétimo dia”, de acordo com Marion Holmes Katz, um estudioso do Islã na Universidade de Nova Iorque. “A ideia de Deus descansar parece implicar que Deus está cansado. Assim, toda a ideia de que você se abstenha de trabalho como uma espécie de recapitulação ritualizada ou aceno simbólico para o processo de criação – causa tensão no Islã “.

Mas no catolicismo, como o Papa Francis sugere, o sabbath realmente importa – o dia inteiro, como ensina o Catecismo, no parágrafo 2185, “Aos domingos e nos outros dias de festa de preceito, os fiéis devem abster-se de se envolver em trabalho ou atividades que impedem o culto devido a Deus, a alegria própria ao dia do Senhor, o desempenho das obras de misericórdia, e o relaxamento adequado da mente e do corpo.

A Igreja Católica tem vindo a recuperar este ensinamento, pelo menos desde 1998, quando o Papa João Paulo II publicou a Carta Apostólica “Dies Domini”. Lá, ele escreve que “mesmo nos países que dão sanção legal para o caráter festivo do domingo, mudanças na condições socioeconômicas, muitas vezes levou a profundas modificações de comportamento social e, portanto, o caráter de domingo.“

Em outubro passado, cerca de 250 bispos se reuniram em Roma para uma conferência sobre o movimento chamado da Nova Evangelização, que se concentra em despertar a fé em quem já foi batizado. Uma de suas conclusões foi: “Mesmo que haja uma tensão entre o domingo cristão e o domingo secular, o domingo [cristão] deve ser recuperado” – eles escreveram conforme João Paulo II em “Dies Domini”.

Claro, aqueles que pregam um sabbath relaxante, com amigos e familiares, estão muitas vezes trabalhando duro no dia que eles exaltam. Para os membros do clero, o sabbath é o mais movimentado dia de trabalho da semana. Um charme do livro do “Papa Francisco” é o quanto podemos aprender sobre os passatempos do novo papa, como a leitura do poeta romântico alemão Friedrich Hölderlin e ouvir óperas de Verdi. Imagina-se que agora, mais do que nunca, que o domingo não é o seu dia para a leitura de lazer, nem um bom momento para pegar uma exibição de “Babette’s Feast”.



Fonte - New York Times


(Via @AdventismoemFoco)


Nota DDP: Não é de se admirar que, mais cedo ou mais tarde (neste caso bem cedo), o tema viria à baila. Temos assim, como no pontificado anterior, que os temas ecumenismo e santificação do domingo continuam na pauta do dia.


O novo papa e o domingo


"Conforme aquele caminho que chamam SEITA, assim sirvo ao Deus de nossos pais, crendo tudo quanto está escrito na LEI e nos PROFETAS" (Atos 24:14 ) - Paulo, o apostolo dos gentios
avatar
Eduardo

Mensagens : 5997
Idade : 47
Inscrição : 08/05/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

- Tópicos similares
Compartilhar este artigo em: BookmarksDiggRedditDel.icio.usGoogleLiveSlashdotNetscapeTechnoratiStumbleUponNewsvineFurlYahoo!Smarking

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum