Últimos assuntos
» Decreto dominical a caminho
Dom Fev 19, 2017 7:48 pm por Augusto

» Acordem adventistas...
Ter Fev 07, 2017 8:37 pm por Augusto

» O que Vestir Para Ir à Igreja?
Qui Dez 01, 2016 7:46 pm por Augusto

» Ir para o céu?
Qui Nov 17, 2016 7:40 pm por Augusto

» Chat do Forum
Sab Ago 27, 2016 10:51 pm por Edgardst

» TV Novo Tempo...
Qua Ago 24, 2016 8:40 pm por Augusto

» Lutas de MMA são usadas como estratégia por Igreja Evangélica para atrair mais fiéis
Dom Ago 21, 2016 10:12 am por Augusto

» Lew Wallace, autor do célebre livro «Ben-Hur», converteu-se quando o escrevia
Seg Ago 15, 2016 7:00 pm por Eduardo

» Ex-pastor evangélico é batizado no Pará
Qua Jul 27, 2016 10:00 am por Eduardo

» Citações de Ellen White sobre a Vida em Outros Planetas Não Caídos em Pecado
Ter Jul 26, 2016 9:29 pm por Eduardo

» Viagem ao Sobrenatural - Roger Morneau
Dom Jul 24, 2016 6:52 pm por Eduardo

» As aparições de Jesus após sua morte não poderiam ter sido alucinações?
Sab Jul 23, 2016 4:04 pm por Eduardo

SEU IP
IP

Editorial da Nature Immunology 'falou e disse': Isaac Newton não podia presidir a Royal Society

Ir em baixo

10072010

Mensagem 

Editorial da Nature Immunology 'falou e disse': Isaac Newton não podia presidir a Royal Society







Sexta-feira, Julho 09, 2010


Editorial

Nature Immunology Volume 11 Number 5 May 2010

Of faith and reason

The openly religious stance of the NIH director could have undesirable effects on science education in the United States.

The newest book authored by Francis Collins, Belief: Readings on the Reason for Faith, was released in March 2010. A collection of essays addressing the rationality of faith, the book reflects the struggle of great minds of the past and present—philosophers, poets, scientists—to understand the urge to believe in a supernatural power. It is advertised as an essential companion for anyone seeking clarity in the ongoing debate between reason and faith: seekers, believers and skeptics.

The publication of the book has great potential to reignite some nagging doubts over the election of Francis Collins as director of the National Institutes of Health (NIH). Many hoped that after his nomination he would refrain from publicly discussing his religious convictions and step down from projects such as Biologos, which attempts to reconcile evolution with the idea of God. This, however, has not been the case, and although most agree that Francis Collins is a skilled administrator, there are justified concerns that such public embrace of religion from an influential scientist may have negative consequences on science education.

Strikingly, despite being a world leader in science, the United States still struggles when it comes to scientific education. Creationism is creeping back into the science curricula of public schools. And although intelligent design, the latest form of creationism, suffered a major defeat in the 2005 Kitzmiller v. Dover Area School District trial (Nat. Immunol. 7, 433–435, 2006), when the US Supreme Court ruled that including it in science curricula is unconstitutional, creationists are making a comeback.


[NOTA DESTE BLOGGER: Não foi a Suprema Corte dos EUA, mas uma corte distrital muito, mas muito abaixo da US Supreme Court. Não vai chegar lá porque nós do Design Inteligente entendemos que a ciência não se estabelece em tribunais, mas através do exame e submissão das evidências.]

In 2008, Louisiana state legislators passed bills that allow “open and objective discussions of scientific theories being studied, including but not limited to evolution and the origins of life.” In 2009, the Texas Board of Education set new standards for incorporating ideas from intelligent- design literature, including doubts that the fossil records represent convincing evidence of evolution. Under the guise of promoting ‘critical thinking skills’, such decisions allow creationists to teach the controversy—a strategy designed to discredit evolution and introduce intelligent design as a viable alternative. Opponents of these bills justly point out that such discussions belong in religion, culture and philosophy classes but not in the science curricula.
...


Professores, pesquisadores e alunos de universidades públicas e privadas com acesso ao site CAPES/Periódicos podem ler gratuitamente este editorial ideológico e enviesado da Nature Immunology e de mais 22.440 publicações científicas.


+++++


NOTA CAUSTICANTE DESTE BLOGGER:


Pelo preconceito deste editor da Nature Immunology, Isaac Newton jamais seria presidente da Royal Society em 1703. Pelo preconceito deste editor da Nature Immunology, somente ateus e agnósticos é que podem ser bons cientistas. Nada mais falso! Mas segue os passos originais como panfleto ideológico do X-Club: a Nature foi fundada por Joseph Hooker e Thomas Huxley em 3 de novembro de 1864 para expressar devoção [SIC] à ciência, pura e livre, sem os entraves dos dogmas religiosos. [Nota f8]


Durma-se com um barulhos desses! O discurso Novilíngua (leia 1984 de Orwell) pramático da Nomeklatura científica sobre a relação ciência e religião é que a primeira é compatível com a segunda. Na prática dos palanques (eu não pude resistir) mais reservados, o discurso é outro: é ostensiva e abertamente belicoso contra os de subjetividades religiosas.

Inquisição sem fogueiras! Eles são os Torquemadas pós-modernos, chiques e perfumados, a la Dawkins, oops a la Dennett que decretou no seu livro sobre a ideia perigosa de Darwin, que essas pessoas deveriam ser enviadas para um zoológico cultural. E esse cara é filósofo em renomada universidade americana. Dennett se parece fisicamente com Darwin, bem como na tradução literal de suas ideias de eliminação de raças inferiores. Está lá no livro menos lido e pesquisado de Darwin: The Descent of Man. Está lá no livro de Dennett, A ideia perigosa de Darwin. Ideias têm consequências, e o Darwinismo desaguou em Hitler e nas ditaduras de proletariado marxista que eliminou fisicamente mais de 100 milhões de pessoas.

Eu não tenho procuração dos cientistas e nem dos crentes de subjetividades religiosas, mas denuncio veementemente aqui este discurso Novilíngua da Nomenklatura científica, antropofágico e destruidor de carreiras acadêmicas. Eu não vejo na Akademia, nas universidades, e muito menos em editoriais de publicações científicas esta virulência contra os cientistas, professores e pesquisadores ateus e agnósticos.

Esses neo-Torquemadas não representam a ciência e precisam ser ostensiva e veemente denunciados e resistidos! Por todos e quaisquer meios legais! Ou este editorial fajuto é uma declaração de guerra???

P.S.: Alô professores, pesquisadores e alunos de universidades públicas e privadas, se em seu local de ensino, estudo e pesquisa, você é ostensiva e publicamente hostilizado, ridicularizado e perseguido por esses Pol Pots de plantão, me mande um e-mail (neddy@uol.com.br) detalhando esses casos, ou acione você mesmo a Procuradoria Geral da República para dar um basta na violação dos seus direitos constitucionais e direitos humanos: livre pensar e livre crença religiosa. Bote a boca no trombone. Não se intimide com o terrorismo ideológico desses bullies de papel. Eles são corajosos somente em matilhas e quando não são enfrentados e resistidos publicamente.

O rei do materialismo filosófico, que posa como se fosse ciência, está nú e há algo de muito podre na Nomenklatura científica.

Terroristas abomináveis!!!


+++++


Vote neste blog para o prêmio TOPBLOG 2010.

Editorial da Nature Immunology 'falou e disse': Isaac Newton não podia presidir a Royal Society
avatar
Eduardo

Mensagens : 5997
Idade : 47
Inscrição : 08/05/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

- Tópicos similares
Compartilhar este artigo em: diggdeliciousredditstumbleuponslashdotyahoogooglelive

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum