Últimos assuntos
» Decreto dominical a caminho
Dom Fev 19, 2017 7:48 pm por Augusto

» Acordem adventistas...
Ter Fev 07, 2017 8:37 pm por Augusto

» O que Vestir Para Ir à Igreja?
Qui Dez 01, 2016 7:46 pm por Augusto

» Ir para o céu?
Qui Nov 17, 2016 7:40 pm por Augusto

» Chat do Forum
Sab Ago 27, 2016 10:51 pm por Edgardst

» TV Novo Tempo...
Qua Ago 24, 2016 8:40 pm por Augusto

» Lutas de MMA são usadas como estratégia por Igreja Evangélica para atrair mais fiéis
Dom Ago 21, 2016 10:12 am por Augusto

» Lew Wallace, autor do célebre livro «Ben-Hur», converteu-se quando o escrevia
Seg Ago 15, 2016 7:00 pm por Eduardo

» Ex-pastor evangélico é batizado no Pará
Qua Jul 27, 2016 10:00 am por Eduardo

» Citações de Ellen White sobre a Vida em Outros Planetas Não Caídos em Pecado
Ter Jul 26, 2016 9:29 pm por Eduardo

» Viagem ao Sobrenatural - Roger Morneau
Dom Jul 24, 2016 6:52 pm por Eduardo

» As aparições de Jesus após sua morte não poderiam ter sido alucinações?
Sab Jul 23, 2016 4:04 pm por Eduardo

SEU IP
IP

A datação radiométrica (por isótopos radioativos) é falível

Ir em baixo

15072010

Mensagem 

A datação radiométrica (por isótopos radioativos) é falível






Elaine Kennedy
http://www.scb.org.br/entrevistas/Entrevista_6.htm
Nahor Neves
http://www.scb.org.br/entrevistas/Entrevista_7.asp
Arthur V. Chadwick
http://origins.swau.edu/papers/geologic/mega/defaultp.html


http://www.icr.org/article/its-official-radioactive-isotope-dating/

A datação por isótopos radioativos é falível! Saiu na Science que Gregory Brennecka e colegas “mediram as quantidades relativas de Urânio 238 a Urânio 235 de várias amostras do meteorito Allende, e detectaram pequenas diferenças nas proporções de isótopos de diferentes inclusões dentro do mesmo meteorito.” De acordo com o próprio Brennecka, “essa variação implica incertezas substanciais nas idades determinadas anteriormente pela datação por Pb-Pb (chumbo-chumbo) de inclusões ricas em cálcio-alumínio (CAIs).”

THOMAS, Brian. It’s official: radioactive isotope dating is fallible. Institute for Creation Research, publicado em 21 jan 2010. Disponível em: . Acesso em 28 jan 2010.

It's Official: Radioactive Isotope Dating Is Fallible

by Brian Thomas, M.S. *

New data collected by secular researchers has confirmed what creation scientists discovered decades ago—geologists’ assumptions about radioactive decay are not always correct.

For a century, the radioactive decay of unstable elements into more stable ones has been used as a natural clock to estimate the age of earth materials. Even the solar system has been dated using one of these systems, by measuring the amount of a decaying element and comparing it to the amount of its stable (decayed) daughter material in meteorites. However, a recent analysis using state-of-the-art equipment found that a basic assumption underlying one of these clock systems needs to be re-evaluated.

Gregory Brennecka of Arizona State University and colleagues measured the relative amounts of Uranium 238 to Uranium 235 from several samples taken from the large Allende meteorite, named for the village in Mexico near where it landed in 1969. With the more sensitive instrument, they detected small differences in isotope ratios from different inclusions within the same meteorite.1 Isotopes are versions of an element with differing nuclear components. The full technical report appeared in the January 22, 2010, issue of the journal Science.

The differing amounts of material that were found in separate samplings of the same meteorite were unexpected. The current standard age assigned to the solar system of 4.6 billion years was determined by studying the Uranium-to-Lead decay systems in meteorites, which are assumed to have formed before the planets did. This age was based on the belief that the rate of decay has been constant, and that Uranium 238 will be present in a known ratio to Uranium 235. The varying quantities of these isotopes call into question the calculated age of the solar system, since “one of the equation’s assumptions — that certain kinds of uranium always appear in the same relative quantities in meteorites — is wrong.”2

“This variation implies substantial uncertainties in the ages previously determined by Pb-Pb [lead-lead] dating of CAIs,” Brennecka stated in an ASU press release.3 CAIs are “calcium-aluminum-rich inclusions” found in the meteorite. Though the measurements of these elements are very precise, the assumptions upon which their usefulness as a clock rests are questionable at best. In a Wired Science article on Brennecka’s findings, Gerald Wasserburg, emeritus professor of geology at Caltech, commented, “Everybody was sitting on this two-legged stool claiming it was very stable, but it turns out it’s not.”2

To be fair, however, it wasn’t “everybody” who claimed this. For years, creation researchers have published ample data to refute the assumed reliability of nuclear decay clocks in general, as well as specifically for Lead. For example, in 1979, John Woodmorappe catalogued scores of discordant dates “determined” by isotope decay systems, all published in secular literature.4 In 2003, Andrew Snelling published more discordant “ages,” taken from isotope measurements at Australia’s Somerset Dam.5 Another study tested the reliability of ages based on radioisotope systems from Grand Canyon and other formations. It found disagreeing “ages” from different isotope systems for the same rock.6 These discordant dates should not be evident if the assumption of rate constancy—which underlies radioisotope dating of igneous materials and is used to support the “billions of years” age for the solar system—is accurate.

In 2005, sedimentologist Steve Austin performed a test of the lead-lead isotope clock assumptions in earth material, and found data that nullified the idea that the decay rate has been constant.7 So, it is not surprising that Brennecka’s team has now found a need to tweak the age formulas used for dating meteoritic material.
Although it is apparent that millions of years worth of decay—at today’s slow rates—has occurred in isotope decay systems, it is clear that that the decay occurred rapidly, during a period of extreme acceleration. Only in this way could Helium have become trapped in granites,8 Polonium radiohalos have left their signatures,9 and other microscopic scars called “fission tracks” have formed.10

Although Brennecka and his colleagues detected only a small difference in the Uranium isotopes within the same rock, this was enough to cast a measure of doubt on a procedure that has been deemed nearly infallible for many decades. And this dovetails with other valid research which has unearthed enough other data to call into question the assumed reliability of isotope clock dating systems.

References


  1. Brennecka, G. A. et al. 238U/235U Variations in Meteorites: Extant 247Cm and Implications for Pb-Pb Dating. Science Express. Published online December 31, 2009.
  2. Grossman, L. Age of Solar System Needs to Be Recalculated. Wired Science. Posted on wired.com January 4, 2010, accessed January 12, 2010.
  3. Staab, N. ASU researchers recalculate age of Solar System. Arizona State University press release, December 31, 2009.
  4. Woodmorappe, J. 1979. Radiometric Geochronology Reappraised. Creation Research Society Quarterly. 16 (2): 102-129.
  5. Snelling, A. A. 2003. Whole-Rock K-Ar Model and Isochron, and Rb-Sr, Sm-Nd, and Pb-Pb Isochron, “Dating” of the Somerset Dam Layered Mafic Intrusion, Australia. In Ivey, R. L., ed. Proceedings of the Fifth International Conference on Creationism. Pittsburgh, PA: Creation Science Fellowship, 305-324.
  6. Snelling, A. A. 2005. Isochron Discordances and the Role of Inheritance and Mixing of Radioisotopes in the Mantle and Crust. Vardiman, L., A. A. Snelling and E. F Chaffin, eds., Radioisotopes and the Age of the Earth: Results of a Young-Earth Creationist Research Initiative. El Cajon, CA: Institute for Creation Research and Chino Valley, AZ: Creation Research Society.
  7. Austin, S. A. 2005. Do Radioisotope Clocks Need Repair? Testing the Assumptions of Isochron Dating Using K-Ar, Rb-Sr, Sm-Nd, and Pb-Pb Isotopes. In Vardiman, L., A. A. Snelling and E. F Chaffin, eds., Radioisotopes and the Age of the Earth: Results of a Young-Earth Creationist Research Initiative. El Cajon, CA: Institute for Creation Research, and Chino Valley, AZ: Creation Research Society.
  8. Humphreys, D. R. 2003. New RATE Data Support a Young World. Acts & Facts. 32(12).
  9. Snelling, A. A. 2002. Radiohalos—Significant and Exciting Research Results. Acts & Facts. 31 (11).
  10. Snelling, A. A. 2005. Fission Track in Zircons: Evidence for Abundant Nuclear Decay. In Vardiman, L., A. A. Snelling and E. F. Chaffin, eds., Radioisotopes and the Age of the Earth: Results of a Young-Earth Creationist Research Initiative. El Cajon, CA: Institute for Creation Research, and Chino Valley, AZ: Creation Research Society.

    * Mr. Thomas is Science Writer at the Institute for Creation Research.



++++++++++++++++++++++++++++++++

Tradução Automática: É Oficial: Datação isótopo radioativo é falível

by Brian Thomas, MS * por Brian Thomas, MS *

Novos dados coletados por pesquisadores secular confirmou o que os cientistas descobriram a criação de pressupostos décadas atrás, geólogos sobre decaimento radioativo nem sempre são corretas.

Durante um século, o decaimento radioativo de elementos instáveis em outras mais estáveis tem sido usado como um relógio natural para estimar a idade dos materiais da Terra. Até mesmo o sistema solar tem sido datado usando um desses sistemas, medindo a quantidade de um elemento de decomposição e comparando-a com a quantidade de seu estábulo (cariados) material filha em meteoritos. No entanto, uma análise recente com state-of-the-art equipamentos descobriu que uma suposição básica subjacente um desses sistemas relógio precisa ser reavaliada.

Gregory Brennecka da Arizona State University, e colegas mediram as quantidades relativas de urânio 238 de urânio 235 das amostras de várias tomadas a partir do grande meteorito Allende, nomeado para a vila no México, perto de onde ele desembarcou em 1969. Com o instrumento mais sensível, que detectou pequenas diferenças nas taxas de isótopos de inclusões diferentes dentro do mesmo meteorite.1 Isótopos são versões de um elemento com diferentes componentes nucleares. O relatório completo técnico apareceu no 22 de janeiro de 2010, introdução da ciência do jornal.

As quantidades diferentes de material que foram encontradas em amostras do meteorito separado mesmo eram inesperados. A idade atual padrão atribuída ao sistema solar de 4,6 bilhões de anos foi determinada pelo estudo dos sistemas de decaimento do urânio-de-chumbo em meteoritos, que se presume terem sido formados antes de os planetas se. Esta idade foi baseada na crença de que a taxa de decaimento tem sido constante, e que o urânio 238 estarão presentes em uma proporção conhecida ao urânio 235. As quantidades diferentes destes isótopos pôr em causa a idade calculada do sistema solar, uma vez que "um dos pressupostos da equação - que certos tipos de urânio sempre aparecem nas mesmas quantidades relativas em meteoritos - é errado" 2.

"Essa variação implica incertezas substanciais nas idades previamente determinado pelo Pb-Pb [] chumbo-dating do Cais", declarou em uma Brennecka imprensa ASU release.3 CAIS são "inclusões de cálcio e alumínio-ricos" encontrado no meteorito. Embora as medições destes elementos são muito precisos, os pressupostos sobre os quais a sua utilidade como um relógio repousa na melhor das hipóteses são questionáveis. Em um artigo na Wired Science resultados Brennecka, Gerald Wasserburg, professor emérito de geologia na Caltech, comentou: "Todo mundo estava sentado neste banco de duas pernas alegando que era muito estável, mas acontece que não é" 2.

Para ser justo, no entanto, não foi "todos" que afirmava isso. Durante anos, os pesquisadores publicaram os dados de criação suficiente para refutar a confiabilidade dos relógios assumiu o decaimento nuclear em geral, bem como especificamente para o chumbo. Por exemplo, em 1979, John Woodmorappe catalogar dezenas de datas discordantes "determinado" pelos sistemas de decaimento de isótopos, todos publicados em literatura.4 secular Em 2003, Andrew Snelling publicou mais discordantes "idades", tomadas a partir de medições de isótopos de Somerset Austrália Dam.5 Outro estudo testaram a confiabilidade de idades baseadas em sistemas de radioisótopos de Grand Canyon e outras formações. Constatou-se discordar "idades" de sistemas de isótopos diferentes para o mesmo rock.6 Estas datas discordante não deve ser evidente se a hipótese de taxa de constância, que subjaz a datação por radioisótopos de matérias ígneas e é utilizado para apoiar os milhares de milhões "de anos" de idade para O Sistema Solar é preciso.

Em 2005, Steve Austin sedimentologista realizaram um teste de hipóteses isótopo de chumbo levam relógio em material terra e encontraram dados que anulou a idéia de que a taxa de decomposição foi constant.7 Assim, não é de estranhar que a equipa Brennecka tem encontrado agora uma necessidade de ajustar as fórmulas de idade usados para a datação de material de meteoritos.

Embora seja evidente que milhões de anos no valor de decaimento de hoje, as taxas lenta tem ocorrido em sistemas de decaimento de isótopos, é evidente que essa deterioração ocorreu rapidamente, durante um período de aceleração extrema. Só desta forma Hélio poderia ter se tornado presa em granitos, radiohalos 8 polônio deixaram suas assinaturas, 9 e outras cicatrizes microscópicas chamadas "faixas de cisão" e formed.10

Embora Brennecka e seus colegas detectaram apenas uma pequena diferença nos isótopos de urânio no interior da mesma rocha, isso foi o suficiente para lançar uma medida de dúvida sobre um procedimento que tem sido considerado quase infalível para muitas décadas. E isso se encaixa com outras pesquisas válido que descobriu o suficiente para chamar os outros dados em causa a fiabilidade considerado de relógio de isótopos namoro sistemas.

References Referências

1. Brennecka, GA et al. 238 U/ 235 U Variations in Meteorites: Extant 247 Cm and Implications for Pb-Pb Dating. Science Express. Published online December 31, 2009. Brennecka, GA et al. 238 U / 235 U Variações em Meteoritos: Extant 247 cm e Implicações para a Pb-Pb. Science Express. Publicação online 31 dezembro de 2009.

2. Grossman, L. Age of Solar System Needs to Be Recalculated . Wired Science . Grossman, L. Idade do Sistema Solar tem de ser recalculado . Science Wired. Posted on wired.com January 4, 2010, accessed January 12, 2010. Postado em wired.com 04 de janeiro de 2010, acessado em 12 de janeiro, 2010.

3. Staab, N. ASU researchers recalculate age of Solar System . Staab, N. investigadores de ASU recalcular a idade do sistema solar . Arizona State University press release, December 31, 2009. Arizona State University press release, 31 de dezembro de 2009.

4. Woodmorappe, J. 1979. Woodmorappe, J. 1979. Radiometric Geochronology Reappraised. Creation Research Society Quarterly . Radiométrica Geocronologia reavaliado. Creation Research Society Quarterly. 16 (2): 102-129. 16 (2): 102-129.

5. Snelling, AA 2003. Snelling; AA 2003. Whole-Rock K-Ar Model and Isochron, and Rb-Sr, Sm-Nd, and Pb-Pb Isochron, “Dating” of the Somerset Dam Layered Mafic Intrusion, Australia. Rock-Todo modelo K-Ar e isócrona, Rb e Sr, Sm-Nd e Pb-Pb isócrona, "Encontros" da Barragem Somerset Layered Intrusão Máfica, na Austrália. In Ivey, RL, ed. Proceedings of the Fifth International Conference on Creationism . Em Ivey, RL, ed. Continuações da Conferência Internacional sobre a Quinta criacionismo. Pittsburgh, PA: Creation Science Fellowship, 305-324. Pittsburgh, PA: Sociedade criação da ciência, 305-324.

6. Snelling, AA 2005. Isochron Discordances and the Role of Inheritance and Mixing of Radioisotopes in the Mantle and Crust . Snelling, AA 2005. discordâncias isócrona eo papel da herança e mistura de Radioisótopos no manto ea crosta . Vardiman, L., AA Snelling and E. F Chaffin, eds., Radioisotopes and the Age of the Earth: Results of a Young-Earth Creationist Research Initiative. El Cajon, CA: Institute for Creation Research and Chino Valley, AZ: Creation Research Society. Vardiman, L., Snelling AA e E. F Chaffin, eds., Radioisótopos e Idade da Terra: Resultados de uma Terra Creationist Research Initiative-Young. El Cajon, CA: Instituto de Pesquisa e Criação de Chino Valley, AZ: Criação Sociedade de Pesquisa.

7. Austin, SA 2005. Do Radioisotope Clocks Need Repair? Austin, SA 2005. Relógios Radioisótopos Não precisam de reparo? Testing the Assumptions of Isochron Dating Using K-Ar, Rb-Sr, Sm-Nd, and Pb-Pb Isotopes . Teste as hipóteses da isócrona Dating Utilizando-Ar K, Rb-Sr, Sm-Nd e Pb-Pb Isótopos . In Vardiman, L., AA Snelling and E. F Chaffin, eds., Radioisotopes and the Age of the Earth: Results of a Young-Earth Creationist Research Initiative . Em Vardiman, L., Snelling AA e E. F Chaffin, eds., Radioisótopos e Idade da Terra: Resultados de uma Terra Creationist Research Initiative-Young. El Cajon, CA: Institute for Creation Research, and Chino Valley, AZ: Creation Research Society. El Cajon, CA: Instituto de Pesquisa da Criação, e Chino Valley, AZ: Sociedade de Pesquisa da Criação.

8. Humphreys, DR 2003. New RATE Data Support a Young World . Acts & Facts. 32(12). Humphreys, DR 2003. Taxa de Dados de um Mundo Novo Suporte jovem . Atos & Fatos. 32 (12).

9. Snelling, AA 2002. Radiohalos—Significant and Exciting Research Results . Acts & Facts . Snelling, AA 2002. Radiohalos-significativas e resulta de pesquisa emocionante . Atos & Fatos. 31 (11). 31 (11).

10. Snelling, AA 2005. Fission Track in Zircons: Evidence for Abundant Nuclear Decay . Snelling, AA 2005. Track fissão em zircões: Evidência para o decaimento nuclear abundante . In Vardiman, L., AA Snelling and EF Chaffin, eds., Radioisotopes and the Age of the Earth: Results of a Young-Earth Creationist Research Initiative . Em Vardiman, L., Snelling AA Chaffin e EF, eds., Radioisótopos e Idade da Terra: Resultados de uma Terra Creationist Research Initiative-Young. El Cajon, CA: Institute for Creation Research, and Chino Valley, AZ: Creation Research Society. El Cajon, CA: Instituto de Pesquisa da Criação, e Chino Valley, AZ: Sociedade de Pesquisa da Criação.

* Mr. Thomas is Science Writer at the Institute for Creation Research. * Mr. Thomas é escritor da ciência do Instituto de Pesquisa da Criação.

Evidências que derrubam o santuário dos milhões de anos Novembro 2, 2010, 10:55 pm
Filed under: Evolução/Big-Bang | Tags: adn dinossauros, evidências contra milhões de anos, refutação milhões de anos, tecidos organicos fossilizados

Toda a teoria da evolução assenta no pressuposto dos milhões de anos. A Terra precisa de ter muitos milhões de anos, os seres vivos precisam de ter muitos milhões de anos de maneira a tornar mais aceitável a ideia de que a vida evoluiu desde o ser unicelular até à biodiversidade hoje existente. Os milhões de anos não são uma condição necessária, mas sim uma condição essencial.
O problema para os evolucionistas é que nos últimos anos têm surgido várias evidências que mostram que nem os seres vivos nem as camadas sedimentares onde os fósseis dos mesmos são achados têm milhões de anos. Os cientistas sabem (porque existe trabalho empírico em laboratório) que o ADN de um organismo morto, privado dos seus mecanismos de constante reparação, desintegra-se rapidamente.
Os estudos publicados a este respeito estabelecem um tecto máximo para a preservação de ADN num organismo morto de 125 mil anos (125.000). Isto a 0ºC. A uma temperatura constante de 10ºC, mais natural no ambiente onde são encontrados os fósseis, este limite máximo cai para 17.500 anos. (Carregar na imagem para ver em tamanho decente)

Sendo assim, a pergunta perturbadora que se coloca aos evolucionistas é a seguinte: por que razão conseguimos nós detectar tecidos orgânicos em fósseis de animais que supostamente terão vivido há milhões de anos, quando estes, segundo aquilo que sabemos a respeito da desintegração molecular, já não deveriam estar lá?
Tecidos orgânicos encontrados em fósseis de penas de 100 milhões de anos (1)
Os melanossomos são organelos que armazenam a melanina e estão presentes nas células. Cientistas norte-americanos conseguiram encontrar esta estrutura orgânica em fósseis de penas que eles afirmam ter 100 milhões de anos. O autor da descoberta reconhece o enigma: “Mas como é que enquadras isto com o facto bem conhecido de que a maioria das moléculas orgânicas decaem em milhares de anos?“. Qual foi a sugestão dele? Um cenário especulativo, que é o melhor que os evolucionistas conseguem arranjar para se safarem das conclusões óbvias.
Melanossomos encontrados em pinguim de 36 milhões de anos (2)
Um grupo de cientistas norte-americanos conseguiu detectar melanossomos num fóssil de um pinguim que, ao que afirmam, tem 36 milhões. Como foi possível estas estruturas orgânicas, privadas dos seus sistemas de manutenção, durarem 36 milhões foi uma questão deixada no esquecimento pelos investigadores.
Resíduos de retina e melanossomos encontrados em fóssil de Mosassauro de 80 milhões de anos (3)
Os mosassauros são répteis que viveram no último período do Cretáceo (145MA – 65MA, segundo a cronologia evolucionista). Se assim é, por que é que os cientistas conseguiram encontrar aquilo que eles afirmam representar “restos da retina“, bem como melanossomos, ao analisar a região do globo ocular deste fóssil de 80 milhões de anos? A questão interessante de como este tipo de estruturas orgânicas resistem milhões de anos ficou novamente esquecida.

Micróbios sobreviveram num cristal de sal por 30 mil anos (4)
O título do artigo científico demonstra o espanto dos autores da descoberta: “Como é que procariontes sobrevivem em inclusões fluidas em halite durante 30 mil anos?“. O ingrediente é sempre o mesmo: especulação, especulação e especulação. Neste post reportei um caso mais absurdo: a sobrevivência de micróbios por 250 milhões de anos!
Produtores de cerveja fazem cerveja com levedura de 45 milhões de anos (5)
A levedura foi encontrada pelo microbiologista Raul Cano no aparelho digestivo de uma abelha fossilizada em âmbar que, alegadamente, tinha 45 milhões de anos. Ele já tinha conseguido ressuscitar bactérias de supostamente entre 25-40 milhões de anos que se encontravam em abelhas também fossilizadas em âmbar. Os adjectivos “miraculoso“, “maravilhoso” e “enigmático” utilizados pelo autor para descrever a descoberta dizem tudo a respeito deste assunto.
CONCLUSÃO
A existência de tecidos orgânicos e ADN funcional (como na imagem à esquerda) em organismos que supostamente ter-se-ão fossilizado há muitos milhões de anos testifica contra a história evolucionista dos milhões de anos. Não são casos pontuais. São vários casos espalhados pelo mundo (1,2,3,4,5). Muitos outros existem além destes aqui referidos e muitos outros continuarão a aparecer.
As evidências vão continuar a amontoar-se. Os evolucionistas continuarão a dar por comprovado aquilo que é necessário comprovar (nomeadamente, que é possível recuperar tecidos orgânicos de seres que têm milhões de anos). Mas, como foi dito no primeiro parágrafo, o estatuto de “condição essencial” atribuída aos milhões de anos evolucionistas fazem com que sempre se tenha de colocar o paradigma naturalista acima das evidências.
Isso acontece porque a teoria da evolução não é científica. Teoria que não tem hipótese de ser falseada não é uma teoria científica. Chama-lhe religião, chama-lhe filosofia de vida, chama-lhe ideologia, chama-lhe o que quiseres. Só não lhe chames científica.

++++

Evidências de uma Terra Jovem



Fonte: Answers In Genesis
Tradução e Adaptação: J.S. Cavani

Se os métodos radiométricos não podem ser confiados, quais são então nossas evidências para uma criação recente? Existem vários fenômenos naturais que contradizem a idéia evolucionária de milhões de anos. Esses fenômenos confirmam uma criação recente da terra, seu alcance se encaixa perfeitamnete com a idade sugerida pela Bíblia (6,000 anos). Certamente os fenômenos naturais citados abaixos não são todos os que comprovam uma criação recente, no entanto, eles foram escolhidos por causa de sua simplicidade e brevidade.

1. As Galáxias Estão Rodopiando Muito Depressa


As estrelas em nossa galáxia rodopiam ao redor do centro galáctico com velocidades diferentes, as que estão mais próximas do centro rodopiam mas rápido que aquelas que estão mais afastadas. As rotações são tão rápidas que se nossa galáxia fosse pouco mais de centenas de milhões de anos, ela seria um disco de estrelas ao invés de ter uma forma espiral. E mesmo assim os evolucionistas afirmam que a nossa galáxia tem 10 bilhões de anos. Este dilema do rodopio tem preocupado os evolucionistas. Muitas teorias foram designadas para responder tal dilema, mas nenhuma teve sucesso.

2. Poucas Supernovas


De acordo com observações astronômicas, galáxias como a nossa experimentam uma supernova (explosão violenta da estrela) a cada 25 anos. O gás e o pó remanecente de tais explosões se expandem e devem permanecer visíveis por cerca de um milhão de anos, segundo os astrônomos. No entanto, nas partes de nossa galáxia onde nós podemos observar tais gases, só contêm os restos de apenas 200 supernovas. Este número é consistente com um período de 7,000 anos de supernovas.[1]

3. Cometas Se Desintegram Muito Depressa


De acordo com a teoria evolucionária, os cometas tem a mesma idade que o sistema solar, ou seja, cerca de 5 bilhões de anos. Estranhamente, cada vez que um cometa orbita perto do sol, ele perde tanto do seu próprio material que ele não pode sobreviver mais de 100,000 anos. Muitos cometas têm uma idade típica de 10,000 anos.[2] Evolucionistas tentam explicar esta discrepância pressupondo:

(a) Que cometas vêm de uma esférica nuvem oort que está além da órbita de Plutão, a qual nunca foi observada.
(b) Improváveis interações gravitacionais com estrelas (as quais arremessam os cometas para o sistema solar).
(c) Outras improváveis interações com planetas que desaceleram os cometas o suficiente para explicar o porque tão poucos cometas são observáveis.[3]

Até agora nenhuma destas hipóteses tem sido substanciada por observações ou cálculos realísticos. Nem mesmo a hipótese do elusivo Cinturão de Kuiper (um disco que seria uma suposta fonte de cometas fora da órbita de Plutão) tem podido explicar através de observação a origem dos cometas.

4. Não Há Sedimentos Suficientes No Chão Dos Oceanos


Cada ano, a água e o mar empurram através da erosão uns 20 bilhões de pó e rocha dos continentes, e depositam nos oceanos.[4] Este material é acumulado como sedimento solto no chão do oceano. A média da espessura deste sedimento é menos do que 400 metros.[5] A única forma conhecida de redução deste sedimento é através da subdução das placas tectônicas. De acordo com a literatura secular, este processo remove 1 bilhão de toneladas por ano.[5] Ou seja, os outros 19 bilhões simplesmente acumulam. Neste índice, a erosão depositaria esta massa presente de sedimentos em menos de 12 milhões de anos (segundo o padrão do uniformitarianismo). No entanto, de acordo com a teoria evolucionária esta subdução das placas e a erosão funcionavam desde o ínicio da existência dos oceanos, uns 3 bilhões de anos atrás! Se isto realmente fosse verdade, porque então os continentes ainda estão aqui? Se a erosão tivesse ocorrido por bilhões de anos, nenhum continente sobraria na superficie da terra. A terra seria literalmente um planeta azul.

5. Não Há Sal Suficiente Nos Oceanos


Cada ano, os rios[6] e outras fontes[7] depositam mais de 450 milhões de toneladas de sódio nos oceanos. Apenas 27% deste sódio é devolvido à fonte de origem cada ano.[7][8] O restante simplesmente acumula no oceano. Se o mar não tivesse sódio no princípio, de acordo com os índices presentes, levaria uns 42 milhões de anos para acumular aquilo que ele tem hoje.[8] No entanto, a teoria evolucionária afirma que os oceanos existem há mais de 3 bilhões de anos. Cálculos para outros elementos de água salgada dão idades mais recentes ainda![9]

6. O Campo Magnético da Terra Está Decaindo Muito Rápido


A energia total armazenada no campo magnético da terra está diminuindo com uma meia-vida de 1,465 (± 165) anos.[10] As teorias evolucionárias que tentam explicar esta rápida diminuição e de como a terra tem mantido seu campo magnético por bilhões de anos são complexas e inadequadas. No presente índice de decaimento, o campo magnético não poderia ter mais que 20,000 anos de idade.[11]

7. Material Biológico Decai Muito Rápido


Radioatividade natural, mutações e decaimento denigrem o DNA e outros materiais biológicos muito depressa. Medidas do índice de mutação do DNA mitocondrial forçaram os pesquisadores a revisar a idade da Eva Mitocondrial (a hipótese de que todos humanos modernos podem ser traçados à uma só mulher) de um teórico 200,000 anos para possivelmente 6,000 anos.[12] Especialistas insistem que os fios do DNA não podem existir num ambiente natural por mais de 10,000 anos, mesmo assim fios intactos do DNA foram descobertos em fósseis, alegadamente mais antigos. Por exemplo, foram descobertos fios do DNA em ossos do homem de Neandertal e até de dinosauros.[13] Uma bactéria, alegadamente com 250 milhões de anos de idade, aparentemente foi revivada sem nenhum dano ao DNA.[14]

8. Muito Hélio Nos Minerais


Urânio e tório geram hélio através do decaimento radioativo nas rochas. Segundo os geologistas, o hélio presente nestas rochas (que supostamente tem bilhões de anos) não teve tempo de escapar para a atmosfera. No entanto, segundo novas medidas do índice do escapamento do hélio nestas rochas (e.g. cristais de zircônio) mostram que o hélio tem afluído por apenas 6,000 (±2000) anos.[15]

9. A História É Muito Curta

De acordo com os evolucionistas o homem (homo sapiens) tem existido por 190,000 anos antes que ele começasse a deixar registros escritos cerca de 4,000 à 5,000 anos atrás. Então o homem pré-histórico construiu monumentos megalíticos, desenhou belas pinturas nas cavernas e manteve as fases da lua[16] mas aguardou 2 mil séculos antes que ele pudesse desenvolver a abilidade para registrar a história? É necessário ter menos fé para preferir o relato Bíblico.

10. A População É Muito Pequena


Hoje a população cresce numa taxa de 2-3% ao ano. Se os primeiros humanos (homo) viveram há mais de 1 milhão de anos atrás, ainda que nós diminuíssemos a taxa para 0,5% ao ano, hoje nós teriamos 1,15 x 102166 de pessoas (basicamente o número dez seguido de 2100 zeros!). Certamente muitos trilhões de pessoas viveram e morreram desde a emergência de nossa espécie. A questão que nos resta é: Onde é que estão ossos destes zilhões de pessoas?

11. A Lua Está Se Afastando


A lua está se afastando da terra num índice de 4 cm por ano. Assumindo que este índice não sofreu nenhuma alteração, ela teria começado a se afastar da terra e ter chegado a sua posição atual em 1.37 bilhões de anos. Esta data é recente demais para a evolução e muito mais recente para as datas radiométricas designadas para as rochas da lua.

12. Uma Grande Nuvem de Testemunhas


Ainda há muitas outras evidências que apontam para um universo jovem. Poderíamos ainda citar as árvores vivas mais velhas no mundo, que datadas corretamente através do crescimento anual de anéis do caule, têm entre 4.000 e 5.000 anos de idade, em harmonia com a data do Dilúvio no modelo da Criação. Temos ainda o Efeito Poynting-Robertson, os radiohalos, os anéis de Saturno, as peculiaridades de Mercúrio e outras tantas evidências que apontam para uma criação recente. Verdadeiramnete, o universo anúncia as obras de Sua Mãos![17]



[1] K. Davies, Distribution of Supernova Remnants in the Galaxy, Proceedings of the Third International Conference on Creationism, Vol. II (Pittsburgh, PA: Creation Science Fellowship, 1994), p. 175–184.

[2] P. F. Steidl, Design and Origins in Astronomy (Norcross, GA: Society Books, 1983), p. 73-106.

[3] F. L. Whipple, Background of Modern Comet Theory, Nature 263:15–19 (Setembro, 1976). Veja também: The Mass Disruption of Oort Cloud Comets, Science 296:2212–2215 (Junho 2002).

[4] John D. Milliman, Geomorphic/Tectonic Control of Sediment Discharge to the Ocean: The Importance of Small Mountainous Rivers, The Journal of Geology, vol. 100, pg. 525–544 (1992).

[5] W. W. Hay, Mass/Age Distribution and Composition of Sediments on the Ocean Floor and the Global Rate of Sediment Subduction, Journal of Geophysical Research, 93(B12):14,933–14,940 (Dezembro 1988).

[6] M. Meybeck, Concentrations des eaux fluviales en elements majeurs et apports en solution aux oceans, Revue de Géologie Dynamique et de Géographie Physique 21(3):215 (1979).

[7] F. L. Sayles, Cation-Exchange Characteristics of Amazon River Suspended Sediment and its Reaction With Seawater, Geochimica et Cosmochimica Acta 43:767–779 (1979).

[8] S. A. Austin e D. R. Humphreys, The Sea’s Missing Salt: A Dilemma For Evolutionists, Proceedings of the Second International Conference on Creationism, Vol. II (Pittsburgh, PA: Creation Science Fellowship, 1991), p. 17–33.

[9] S. Nevins, Evolution: The Oceans Say No!, Impact No. 8 (Nov. 1973) Institute for Creation Research.

[10] D. R. Humphreys, The Earth’s Magnetic Field Is Still Losing Energy, Creation Research Society Quarterly, 39(1):3–13, Junho 2002.

[11] D. R. Humphreys, Physical Mechanism For Reversals of the Earth’s Magnetic Field During the Flood, Proceedings of the Second International Conference on Creationism, Vol. II (Pittsburgh, PA: Creation Science Fellowship, 1991), p. 129–142.

[12] A. Gibbons, Calibrating The Mitochondrial Clock, Science 279:28–29 (Janeiro 1998).

[13] J. Cherfas, Ancient DNA: Still Busy After Death, Science 253:1354–1356 (Setembro 1991). R. J. Cano, H. N. Poinar, N. J. Pieniazek, A. Acra, e G. O. Poinar, Jr. Amplification and Sequencing of DNA From a 120-135-Million-Year-Old Weevil, Nature 363:536–8 (Junho 1993). M. A. Stone Krings, R. W. Schmitz, H. Krainitzki, M. Stoneking, e S. Pääbo, Neandertal DNA Sequences and The Origin of Modern Humans, Cell 90:19–30 (Julho 11, 1997). Lindahl, T, Unlocking Nature’s Ancient Secrets, Nature 413:358–359 (Setembro 2001).

[14] R. H. Vreeland,W. D. Rosenzweig, e D. W. Powers, Isolation of a 250 Million-Year-Old Halo-Tolerant Bacterium From a Primary Salt Crystal, Nature 407:897–900 (Outubro 2000).

[15] D. R. Humphreys, Helium Diffusion Age of 6,000 Years Supports Accelerated Nuclear Decay, Creation Research Society Quarterly 41(1):1–16 (Junho 2004).

[16] A. Marshack, Exploring The Mind of Ice Age Man, National Geographic 147:64–89 (Janeiro 1975).

[17] Salmo 19.1Fonte: http://www.answersingenesis.org/home/area/faq/young.asp
avatar
Eduardo

Mensagens : 5997
Idade : 48
Inscrição : 08/05/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

- Tópicos similares
Compartilhar este artigo em: diggdeliciousredditstumbleuponslashdotyahoogooglelive

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum