Últimos assuntos
» Decreto dominical a caminho
Dom Fev 19, 2017 7:48 pm por Augusto

» Acordem adventistas...
Ter Fev 07, 2017 8:37 pm por Augusto

» O que Vestir Para Ir à Igreja?
Qui Dez 01, 2016 7:46 pm por Augusto

» Ir para o céu?
Qui Nov 17, 2016 7:40 pm por Augusto

» Chat do Forum
Sab Ago 27, 2016 10:51 pm por Edgardst

» TV Novo Tempo...
Qua Ago 24, 2016 8:40 pm por Augusto

» Lutas de MMA são usadas como estratégia por Igreja Evangélica para atrair mais fiéis
Dom Ago 21, 2016 10:12 am por Augusto

» Lew Wallace, autor do célebre livro «Ben-Hur», converteu-se quando o escrevia
Seg Ago 15, 2016 7:00 pm por Eduardo

» Ex-pastor evangélico é batizado no Pará
Qua Jul 27, 2016 10:00 am por Eduardo

» Citações de Ellen White sobre a Vida em Outros Planetas Não Caídos em Pecado
Ter Jul 26, 2016 9:29 pm por Eduardo

» Viagem ao Sobrenatural - Roger Morneau
Dom Jul 24, 2016 6:52 pm por Eduardo

» As aparições de Jesus após sua morte não poderiam ter sido alucinações?
Sab Jul 23, 2016 4:04 pm por Eduardo

Palavras chave

criação  jonas  arca  jesus  secreto  alma  virgens  dilúvio  bíblia  parabola  

SEU IP
IP

O Jesus pouco divulgado

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

O Jesus pouco divulgado

Mensagem por Carlstadt em Qui Fev 04, 2010 10:08 pm

O JESUS POUCO DIVULGADO



Em que você pensa quando ouve a palavra “Jesus”? Algumas imagens, sem dúvida, aparecem de forma automática em seu cérebro: um homem ainda jovem estendendo a mão sobre um cego acamado ou alguém submetido a ofensas e maus-tratos até ser pendurado em uma cruz. Conhecemos o Jesus que nasceu de uma virgem e foi acolhido em um estábulo. Ouvimos do Jesus que no início da adolescência impressionou os experts em religião. Estamos familiarizados com poucos pães alimentando grandes públicos, travessias sobre ondas bravias, mortos deixando suas tumbas em rochas e paralíticos que, ao serem curados, pareciam estar em uma aula de aeróbica, de tão eufóricos!

A questão é que, para além de um Jesus atrelado a essas atividades tão bem retratadas nos evangelhos, vemos outro Jesus: Aquele que morreu, ressuscitou, ascendeu ao Lar e hoje ministra no santuário celestial. E este aspecto importantíssimo é retratado nas profecias de Daniel. O estudo do magnífico ministério de Cristo em Seu santuário vai exigir mais de nossa atenção, contudo irá nos presentear com uma compreensão mais clara de Jesus e Sua obra.

Primeiramente, vamos relembrar o que descobrimos no capítulo 8. Além de apresentar os grandes impérios mundiais desde a época de Daniel até o fim, a profecia destaca o poder perseguidor que se colocaria contra Deus e Seu povo – o poder romano. Tal poder perseguidor é retratado em suas duas fases: a Roma dos imperadores e a Roma dos papas. Esta última ganha maior destaque em Daniel 8.

Outro detalhe vale ser mencionado: no capítulo 8, nem tudo recebe explicação! O próprio anjo, que serve de intérprete para Daniel, declara: “A visão da tarde e da manhã, que foi dita, é verdadeira; tu porém, preserva a visão, porque se refere a dias ainda muito distantes.” (Dn. 8:26). Qual parte da profecia deixou de receber esclarecimento? Aquela que se referia a um período específico de tempo, as 2300 tardes e manhãs (Dn. 8:14). Daniel se incomodou bastante por não compreender este pedaço da visão, a ponto de adoecer (Dn. 8:27).

Passam-se os anos, Babilônia é subjugada pelo Medo-Pérsia e a situação dos judeus continua a mesma. Talvez isso perturbasse Daniel, conhecedor que era de que o cativeiro de Israel duraria 70 anos (como descobrimos, Daniel era um profundo estudioso das profecias de Jeremias). E se a parte não esclarecida da visão (capítulo 8) indicasse uma nova resolução divina, no sentido de prolongar o tempo de cativeiro?

Neste ponto, Daniel é como eu e você, alguém que tinha dúvidas a respeito do cumprimento da vontade de Deus. A saída? Orar! O experiente estadista só poderia pedir ao Senhor restaurar Sua nação desgarrada. O mais tocante é que o coração do Santo do Universo não fica imune aos rogos de seus filhos sinceros e, por isso, a oração do profeta cativo em terra estranha teve pronta resposta.

O mesmo anjo responsável por dar a notícia a uma jovem israelita de que ela seria mãe do Salvador da raça humana foi incumbido de socorrer Daniel. O motivo? Deus amava e tinha em alta conta o profeta (Dn. 9:21-23). O mesmo tipo de interesse pela alma em dúvida, que se ajoelha em busca de luz, é manifestado pelo Céu em nossos dias.

O anjo didaticamente responde a dúvida de Daniel a respeito da visão. De qual visão estamos falando? A única visão que não fora completamente elucidada, como vimos, é a que acompanhamos no capítulo 8. As “2300 tardes e manhãs” não receberam uma explicação; sendo assim, voltar para este assunto era parte da tarefa do anjo Gabriel.

Vale observar que “tardes e manhãs” é o fraseado que na Bíblia descreve o dia judaico – que se inicia ao pôr-do-sol (à tarde, portanto) e se estende ao poente do dia seguinte (cf.: Gn. 1). Logo, 2300 tardes e manhãs são 2300 dias.
“Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo” (Dn. 9:24). O termo “determinadas” significa, literalmente, que as setenta semanas foram “cortadas”, “separadas” de um período maior. Setenta semanas equivalem “quatrocentos dias, um período menos do que os 2300 dias. Na verdade, as setenta semanas são uma fatia dos 2300 dias.

Quando tem início esta profecia? De acordo com a exposição feita por Gabriel, a partir da “saída da ordem para edificar Jerusalém”, que naquele instante histórico, estava reduzida a escombros (Dn. 9:25 ). Houveram pelo menos três decretos permitindo aos judeus o retorno a sua pátria. Somente um deles, o último, nos interessa, pelo seu caráter definitivo que levou à libertação de Israel. Este decreto, assinado por Xerxes, em 457 a.C., se acha registrado em Esdras 6:6-12.

Temos de aplicar o princípio dia/ano que usamos para entender o capítulo 7. O uso desta ferramenta nos levará a entender que as 70 semanas ou 490 dias equivalem a 490 anos literais. Este período começa em 457 a.C. e termina em 27 d.C. (isto porque não existe o ano-zero; o ano 1 a.C. é seguido pelo ano 1 d.C.). Qual a finalidade deste tempo especial predito por Daniel? Os 490 anos servem como uma oportunidade para que os judeus, como um povo, deixassem de pecar, tivessem suas faltas removidas, experimentassem a justiça eterna e o santuário celestial fosse ungido, como uma forma de inauguração (Dn. 9:24).

Para entender como isto iria acontecer na prática, temos de nos voltar para a última semana (de 27 a 34 d.C.). Nos últimos sete anos, viria o Ungido, ou seja, Jesus estaria capacitado para a sua missão como Salvador. Sabemos que antes de começar Seu ministério efetivamente, Jesus foi batizado por João Batista (Mt. 3:13-17). O batismo foi Sua unção. O que viria a seguir?

“Ele [o Unido, Jesus] fará firme aliança com muitos por uma semana; na metade da semana [o que equivale a 3 anos e meio] fará cessar o sacrifício e a oferta de manjares […]” Daniel 9:27. O ministério de Jesus durou 3 anos e meio, exatamente como Daniel predisse! Ao fim deste tempo, Jesus foi sacrificado na cruz, anulando a lei cerimonial judaica, que servia apenas como um símbolo de sua vinda. Cordeiros não precisavam ser mortos, porque o Cordeiro de Deus finalmente chegara (Jo. 1:29).

Se Jesus começou Seu ministério em 27 d.C. e morreu 3 anos e meio depois, estamos no ano 31 d.C. Mas ainda haveriam outros 3 anos e meio, equivalentes à segunda metade da última semana. Só daí acabaria a oportunidade que Deus dera aos judeus.

De fato, a oportunidade passou sem ser aproveitada! No ano 34 d.C., os judeus marcaram sua recusa ao plano de Deus, condenando o diácono Estêvão (At. 7) e iniciando uma perseguição que dispersou os cristãos de Jerusalém. Com isso, os seguidores de Cristo passaram a compartilhar as boas-novas em outras terras.
As 70 semanas apontam para o amor incondicional de Deus, e também mostram a ingratidão e descaso humano diante das oportunidades da graça.

Como foi falado, as setenta semanas (ou 490 anos) são uma “fatia” dos 2300 anos. Levando-se em conta que os 490 anos terminam em 34 d.C., temos que continuar a partir desta data para contabilizar a última parte da profecia. Dos 2300 anos, descontado 490 (que se aplicam aos judeus especialmente) sobraram 1810 anos. Contando de onde paramos, chegaremos a data de 1844. O que aconteceria, portanto, em 1844? “Até duas mil trezentas tardes e manhãs e o santuário será purificado.” Daniel 8:44.

Em 22 de Outubro de 1844 , Jesus iniciou Sua obra no Santuário celestial, “que o Senhor erigiu, não o homem” (Hb. 8:2). O santuário celeste, que serviu de modelo para Moisés construir o tabernáculo do deserto (Hb. 8:5), agora serviria de palco para uma nova fase da obra de Jesus. Graças a esta nova obra, você pode se aproximar de Deus. Atenda o convite inspirado: “Acheguemos-nos, portanto, confiadamente, junto ao trono da graça, a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna.”


"Conforme aquele caminho que chamam SEITA, assim sirvo
ao Deus de nossos pais, crendo tudo quanto esta escrito na LEI
e nos PROFETAS"
(Atos 24:14 ) - Paulo, o apostolo dos gentios
avatar
Carlstadt
Administrador
Administrador

Mensagens : 1031
Idade : 41
Inscrição : 19/04/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum